Pular para o conteúdo principal

“Grande parte da população de Caruaru está arrependida por ter votado na atual gestora”, declara o Delegado Lessa em entrevista

Em entrevista ao comunicador José Augusto, Delegado Lessa
abordou assuntos locais e nacionais.
Foto: Alena Bezerra/Divulgação
Na manhã desta sexta-feira 01º, o Delegado Lessa (Progressistas) participou do programa Super Manhã, na Rádio Riacho FM (104,9), em Riacho das Almas. Durante uma hora, ele foi entrevistado pelo comunicador José Augusto. Temas relacionados à segurança pública; além de ética na política e a conjuntura local e nacional foram abordados durante a entrevista.

Ao ser indagado sobre o Pacto Pela Vida, o Delegado deixou claro que é necessário estabelecer canais de diálogo com o intuito de identificar as reais demandas da situação. “O Pacto Pela Vida foi construído a partir de uma política transversal, o que é muito importante, pois inclui as secretarias do Governo, além de instituições como a OAB e o Ministério Público, o que expande o debate. Agora, o Pacto precisa de um upgrade, identificando os vetores e operadores da segurança pública para apresentar propostas palpáveis à sociedade”, comentou.

O Delegado Lessa ainda opinou que é preciso adotar medidas como delegacias abertas à noite e implementar postos policiais avançados na área rural. Ele também defendeu a flexibilização do Estatuto do Desarmamento. “Acredito que no Brasil o homem do campo deve ter o direito de possuir arma de fogo, para proteger seu patrimônio e sua família, além de ter um maior apoio policial”, defendeu.

Durante a sabatina, o comunicador José Augusto quis saber a opinião do Delegado sobre as recentes paralisações dos caminhoneiros. “Eu acho que as manifestações foram legítimas, porém houve agentes infiltrados que prejudicaram o desenrolar das ações, inviabilizando ações essenciais da população”, pontuou.

No tocante à intervenção militar, o Delegado Lessa foi categórico. “Sou contra. Acredito que através da democracia é possível construir um país melhor, com a participação cidadã e o fortalecimento das instituições, respeitando a segurança e a soberania nacional”, disse.

Levando-se em consideração o pleito presidencial deste ano, o Delegado Lessa foi perguntado sobre a sua opinião com relação ao crescimento do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) como pré-candidato a presidente da República. “Eu tenho bandeiras que se aproximam com as bandeiras do deputado Jair Bolsonaro, mas acredito que o presidente da República precisa ter jogo de cintura e equilíbrio emocional. Não concordo com alguns posicionamentos radicais de Bolsonaro”. Lessa também ponderou que, provavelmente, nos debates que ocorrerão durante o período eleitoral, tanto Bolsonaro quanto Ciro Gomes (PDT) poderão adotar posturas que lhes desfavoreçam, devido ao temperamento “explosivo” de ambos.

No que se refere à situação hodierna do município de Caruaru, a avaliação do Delegado é que são necessárias melhorias nas mais diversas áreas. “Grande parte da população de Caruaru está arrependida por ter votado na atual gestora. A gestão é fraca e responde a mais de uma dezena de investigações no Ministério Público”, analisou o Delegado.

Indagado sobre a recente aproximação dos grupos políticos dos ex-prefeitos Zé Queiroz (PDT) e Tony Gel (MDB), Lessa foi claro: “Acredito que foi um ato de oportunismo eleitoral”. “Quando as velhas oligarquias percebem que estão perdendo força, decidem se unir. A população está querendo uma renovação política”, destacou.

Na condição de pré-candidato a deputado estadual, o Delegado Lessa deixou claro quais são suas principais bandeiras de atuação: segurança pública; combate à corrupção e defesa dos valores da família. Em 2016, Lessa obteve 41.102 votos para o cargo de prefeito de Caruaru.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…