Pular para o conteúdo principal

Comunicador peruano desabafa: “Existe uma ditadura de pensamento que nos exige perceber o mundo a partir de uma ótica esquerdista”

Luis Mauricio Málaga é um comunicador peruano que tem dado muita ‘dor de cabeça’ aos progressistas. Ele tem desenvolvido debates sobre temas controversos, a exemplo da ideologia de gênero e do marxismo cultural, promovendo um contraponto aos discursos da esquerda. Nesta entrevista exclusiva a ConTexto, Luis Mauricio Málaga aponta sua visão sobre o momento atual da América Latina e alerta para a necessidade de retomada da cultura ocidental. Confira:

Você acredita que na América Latina há uma ‘ditadura do pensamento’ da esquerda – na universidade, na mídia, na arte? Quais são os impactos desta situação?
Eu acredito que na América Latina (e no mundo ocidental) existe uma ditadura de pensamento que nos exige perceber o mundo a partir de uma ótica esquerdista, porém cumpre os objetivos de outro grupo político, já que a esquerda como fenômeno soberano desapareceu com a queda do Muro de Berlim e a reinvenção de inspiração gramscista que recebeu com o Foro de São Paulo apenas conseguiu ressuscitá-la como uma ferramenta útil.

Você afirma que o feminismo não quer a igualdade de gênero. Quais são os reais objetivos do feminismo?
Na realidade, asseguro que o feminismo sim, quer igualdade de gênero, assim como asseguro que isto é grave, posto que falar o termo “gênero” como conceito sociológico é validar o enfoque marxista que as feministas lhe dão, o que indica que nossas condutas são consequências de construções sociais e que, portanto, são facilmente modificadas ou igualáveis, ignorando ou deixando em um segundo plano a influência do fator biológico na nossa conduta social; então, reprimem nosso organismo à força, alterando de maneira negativa a nossa relação com o ambiente, bem como a nossa relação interpessoal e intrapessoal.

O avanço da agenda LGBT pode ser prejudicial à sociedade? De que maneira?
A agenda LGBT afetará a sociedade por distorcer diversas disciplinas acadêmicas e científicas com o objetivo de justificar a conduta daqueles que integram esta comunidade.

Você produz o vídeoblog El Fin del Mundo: Con Luis Mauricio, que possui muita visibilidade no Peru e em outros países da América Latina. É difícil manter na mídia um trabalho que não seja de cunho progressista?
Eu “era” produtor, você quer dizer... O meu vídeoblog sofreu de uma censura inexplicável e abrupta nas redes sociais Facebook e YouTube. O que é pior: como a mídia tradicional cumpre uma agenda vertical de acordo com a conjuntura, é muito difícil conseguir algum espaço neles. Ademais, os “líderes de opinião” de esquerda se protegem e fecham seus círculos de trabalho (o que aqui no Peru nós chamamos de argolas) exclusivamente para pessoas de pensamento progressista. Tristemente, essa é uma situação de vulnerabilidade que passamos: desarmados, sem apoio, sofrendo intimidação, acusações, bullying, difamações, etc.

De que maneira os movimentos conservadores poderão fazer frente ao desenvolvimento do marxismo cultural na América Latina?
Estudando a sua narrativa, analisando os conceitos, compreendendo a sua razão de ser. É importante desenvolver uma produção acadêmica real que possa debater com o marxismo cultural e eventualmente desmascarar o pseudo-academicismo que eles têm utilizado para sequestrar nossas instituições educativas. Também é importante gerar espaços de cultura em que reivindiquemos os que somos. Nós ocidentais temos abandonado a riqueza que há em nossa cultura porque temos nos deixado levar pelo vazio sonho americano, e isto tem servido à estratégia marxista para substituir a nossa cultura pela deles.

Comentários

  1. Y así es como nace Bolsonaro...por culpa del feminismo y el marxismo...lo que se lee hoy en día..

    ResponderExcluir

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid