Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro: “Lula em liberdade seria um esculacho da Justiça”


O deputado federal e pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL-RJ), afirmou, nesta segunda-feira (18), que o Supremo Tribuna Federal (STF) conceder liberdade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da Silva seria “um esculacho da Justiça brasileira”.

A declaração de Bolsonaro foi dada durante um painel com presidenciáveis em São Paulo. O evento foi organizado pela União da Indústria de Cana de Açúcar (Unica). O pré-candidato comentava sobre a análise de mais um pedido de liberdade Lula no STF, que será feito pelos ministros da 2ª Turma.

Para pré-candidato, soltura de Lula é "esculacho".
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil


“Vai ser a 2ª Turma, né, que tem um histórico de soltar todo mundo. Espero que isso não venha a acontecer, afinal de contas ele não tem os requisitos mínimos ainda de mudar de regime, se bem que ele está buscando um habeas corpus. Seria um esculacho da Justiça brasileira colocar em liberdade o senhor Lula”, comentou.

O pedido foi enviado para julgamento pelo ministro Edson Fachin. Ele havia sugerido ao presidente da 2ª Turma, ministro Ricardo Lewandowski, que marcasse a análise para o próximo dia 26. Além deles completam, completam o colegiado os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Celso de Mello.

Durante o evento, Bolsonaro também comentou de futuros possíveis ministros e disse não ver problema em colocar militares qualificados para ocupar os cargos. De acordo com ele, “os governos anteriores botaram guerrilheiros, terroristas, corruptos e ninguém falava nada”. O pré-candidato também afirmou que não tem ambição por poder.

“Eu não tenho ambição pelo poder, entendo que isso seja uma missão de Deus. E nós com essa independência temos que colocar as pessoas certas nos lugares certos”, declarou.

Fonte: Pleno News

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio