Pular para o conteúdo principal

ADRA atende refugiados em 43 países


De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), nos últimos anos mais de 65 milhões de pessoas ao redor do mundo foram forçadas a abandonar seus lares. Desse total, 22,5 milhões são refugiados, e mais da metade deles têm menos de 18 anos.

Voluntário com crianças em campo para refugiados


Como resultado de conflitos e perseguições, a cada minuto cerca de 20 pessoas são deslocadas de suas casas. Entre as organizações que atendem as necessidades desse contingente está a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA).

A organização não governamental (ONG) adventista desenvolve, em 43 países, projetos com refugiados, deslocados internos e pessoas que regressam a seus lares. Fundada em 1956 como Serviço de Bem-estar Adventista do Sétimo Dia (Seventh-day Adventist Welfare Service), a agência conta hoje com uma equipe de seis mil pessoas, entre empregados e voluntários.

No dia 16 de junho, a Igreja Adventista em todo o mundo promoveu o Sábado do Refugiado, uma iniciativa para sensibilizar membros e a comunidade a orar, apoiar e doar recursos destinados à causa. No Brasil, a ADRA também desenvolve diversos projetos para refugiados, como os que vem da Venezuela, por exemplo. Para saber quais são e como colaborar, visite: www.adra.org.br

O vídeo a seguir apresenta alguns dos trabalhos que a ADRA realiza ao redor do mundo com refugiados e deslocados, destacando os programas realizados em Bangladesh, Iraque e Grécia.






Por Márcio Basso, Adventist News Network. Fonte: Site Adventistas

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup