Pular para o conteúdo principal

A Bíblia como narrativa única – por William Lane


Estamos tão acostumados a ler a Bíblia em versículos e capítulos que nem sempre damos conta da riqueza da narrativa bíblica desde a criação do universo e da humanidade, até o pecado humano, as ações redentoras de Deus, o advento de Cristo e, finalmente, a nova criação. Além disso, a riqueza e diversidade de gêneros literários, de estilos, de contextos históricos e enfoques existenciais e teológicos dão a impressão de que a Bíblia é uma colcha de retalhos de escritos de diversos autores, de diversas épocas, destinados a grupos e indivíduos bem diferentes, o que dificulta perceber coesão e harmonia entre os escritos.


Ler a Bíblia como uma narrativa é importante por dois motivos. Primeiro, ajuda-nos a compreender a literatura e mensagem bíblica. O livro de Christopher Wright A Missão de Deus – Desvendando a grande narrativa da Bíblia (2014) sugere justamente a importância de compreender a “grande narrativa” da missão na Bíblia e de perceber que a Bíblia não é só um conglomerado de escritos de diversos autores sem uma ligação com o conjunto, mas em seu todo trata da missão da igreja.

Isso não significa ler a Bíblia em ordem cronológica nem se concentrar apenas nos textos narrativos ou históricos. Antes, significa ler a Bíblia em sua forma e organização atual prestando atenção no movimento ou percurso da história bíblica e para onde ela quer nos levar. A grande narrativa desde a criação, passando pela obra redentora de Cristo, até a nova criação possibilita entender todos os escritos bíblicos, incluindo a poesia, a sabedoria e as profecias, dentro desse cenário. Essa narrativa não apenas serve como visão panorâmica, síntese ou mera estética literária para sustentar a unidade da mensagem bíblica, mas também retrata repetidamente a grandeza e compaixão de Deus e a fragilidade, egoísmo e soberba humanos, e mostra como, por meio de Cristo, o ser humano se esvazia para desfrutar da graça, do amor e da justiça de Deus e encontrar o sentido da vida.
O segundo motivo para a leitura narrativa da Bíblia é que a narrativa bíblica molda nossa identidade, experiência e percepção da realidade. Ainda que se diga que a pós-modernidade acabou com as metanarrativas, as ideologias e utopias, há novas narrativas moldando a identidade e experiência das pessoas. Sem dúvida o poder econômico, as novas tecnologias, as questões de gênero, as desigualdades sociais, as polarizações políticas e religiosas são narrativas predominantes que moldam o pensamento, as relações e as experiências das pessoas hoje. Numa perspectiva puramente pluralista pós-moderna, não há como dizer que uma ou outra narrativa esteja incorreta, seja injusta, imoral, opressora ou deplorável. Elas são apenas escolhas que indivíduos em uma sociedade livre têm o direito de fazer. Porém, elas também estão desconstruindo a narrativa bíblica de um modo a nos fazer pensar que ela é inadequada para lidar com as problemáticas contemporâneas e insustentável em uma sociedade pós-moderna.

A narrativa bíblica confronta não só o conteúdo e o valor dessas narrativas contemporâneas como também a própria narrativa da autonomia humana de sujeito absoluto de sua própria existência, escolhas e história. A narrativa bíblica mostra que o ser humano só encontra sua plena identidade no encontro com Deus por meio de Cristo, e que, ao servir a Deus, o indivíduo experimenta a verdadeira liberdade.

Portanto, ler a Bíblia como uma narrativa única implica entender o texto, a história humana e conhecer a Deus e nós mesmos. Significa encontrar não só o lugar e tema de cada livro dentro da história, mas também o lugar e temas da nossa vida dentro do plano de Deus e ouvir o que ele tem a dizer para nós hoje.


William Lane é pastor presbiteriano, doutor em Antigo Testamento e professor da Faculdade Teológica Sul-Americana, em Londrina, PR.

Fonte: Ultimato


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…