Pular para o conteúdo principal

A Bíblia como narrativa única – por William Lane


Estamos tão acostumados a ler a Bíblia em versículos e capítulos que nem sempre damos conta da riqueza da narrativa bíblica desde a criação do universo e da humanidade, até o pecado humano, as ações redentoras de Deus, o advento de Cristo e, finalmente, a nova criação. Além disso, a riqueza e diversidade de gêneros literários, de estilos, de contextos históricos e enfoques existenciais e teológicos dão a impressão de que a Bíblia é uma colcha de retalhos de escritos de diversos autores, de diversas épocas, destinados a grupos e indivíduos bem diferentes, o que dificulta perceber coesão e harmonia entre os escritos.


Ler a Bíblia como uma narrativa é importante por dois motivos. Primeiro, ajuda-nos a compreender a literatura e mensagem bíblica. O livro de Christopher Wright A Missão de Deus – Desvendando a grande narrativa da Bíblia (2014) sugere justamente a importância de compreender a “grande narrativa” da missão na Bíblia e de perceber que a Bíblia não é só um conglomerado de escritos de diversos autores sem uma ligação com o conjunto, mas em seu todo trata da missão da igreja.

Isso não significa ler a Bíblia em ordem cronológica nem se concentrar apenas nos textos narrativos ou históricos. Antes, significa ler a Bíblia em sua forma e organização atual prestando atenção no movimento ou percurso da história bíblica e para onde ela quer nos levar. A grande narrativa desde a criação, passando pela obra redentora de Cristo, até a nova criação possibilita entender todos os escritos bíblicos, incluindo a poesia, a sabedoria e as profecias, dentro desse cenário. Essa narrativa não apenas serve como visão panorâmica, síntese ou mera estética literária para sustentar a unidade da mensagem bíblica, mas também retrata repetidamente a grandeza e compaixão de Deus e a fragilidade, egoísmo e soberba humanos, e mostra como, por meio de Cristo, o ser humano se esvazia para desfrutar da graça, do amor e da justiça de Deus e encontrar o sentido da vida.
O segundo motivo para a leitura narrativa da Bíblia é que a narrativa bíblica molda nossa identidade, experiência e percepção da realidade. Ainda que se diga que a pós-modernidade acabou com as metanarrativas, as ideologias e utopias, há novas narrativas moldando a identidade e experiência das pessoas. Sem dúvida o poder econômico, as novas tecnologias, as questões de gênero, as desigualdades sociais, as polarizações políticas e religiosas são narrativas predominantes que moldam o pensamento, as relações e as experiências das pessoas hoje. Numa perspectiva puramente pluralista pós-moderna, não há como dizer que uma ou outra narrativa esteja incorreta, seja injusta, imoral, opressora ou deplorável. Elas são apenas escolhas que indivíduos em uma sociedade livre têm o direito de fazer. Porém, elas também estão desconstruindo a narrativa bíblica de um modo a nos fazer pensar que ela é inadequada para lidar com as problemáticas contemporâneas e insustentável em uma sociedade pós-moderna.

A narrativa bíblica confronta não só o conteúdo e o valor dessas narrativas contemporâneas como também a própria narrativa da autonomia humana de sujeito absoluto de sua própria existência, escolhas e história. A narrativa bíblica mostra que o ser humano só encontra sua plena identidade no encontro com Deus por meio de Cristo, e que, ao servir a Deus, o indivíduo experimenta a verdadeira liberdade.

Portanto, ler a Bíblia como uma narrativa única implica entender o texto, a história humana e conhecer a Deus e nós mesmos. Significa encontrar não só o lugar e tema de cada livro dentro da história, mas também o lugar e temas da nossa vida dentro do plano de Deus e ouvir o que ele tem a dizer para nós hoje.


William Lane é pastor presbiteriano, doutor em Antigo Testamento e professor da Faculdade Teológica Sul-Americana, em Londrina, PR.

Fonte: Ultimato


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid