Pular para o conteúdo principal

Singela Homenagem a Nelson Barbalho - por Severino Melo

Nelson Barbalho de Siqueira, nasceu em Caruaru, no dia 02 de junho de 1918, era um domingo e no próximo sábado fechar-se-á o ciclo dos cem anos de seu nascimento.

Consta que ele faleceu de um infarto fulminante, numa sexta-feira, 22 de outubro de 1993, aos 75 anos de idade.

Publicou o Jornal Vanguarda há 10 anos: "... Ele escreveu 110 livros, dos quais 56 ficaram inéditos e mais 20 volumes de diários com registro político, histórico e sociológico da vida de Caruaru e do Brasil de seu tempo. Uma herança que sua filha caçula, a pediatra Valéria 

Barbalho, luta para não deixar cair no esquecimento".
Chamar o torrão natal de "País de Caruaru" e ou "Cidade Céu", foi um trunfo de Nelson Barbalho para imortalizar a "Princesa do Agreste".

Alisou ele os bancos do Colégio Americano Batista, no Recife, no afã de concluir o curso secundário, mas não atingiu tal desiderato. Tornou-se um autodidata, fez concurso para Fiscal do IAPC (Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Comerciários), sendo um honrado "Barnabé" e escritor, inclusive correspondente de escritores e pesquisadores, entre os quais, Carlos Drummond de Andrade e Câmara Cascudo.

Foi compositor. Chegou a assinar 144 composições, ainda que, apenas oito tenham sido gravadas.

Barbalho foi aluno do Poeta Augusto Tabosa e morou um tempo no Recife na década de 30 e voltou para Caruaru para trabalhar. Trabalhou na alfaiataria do seu pai, em frente ao Mercado de Farinha e depois foi para Campina Grande / PB, pelo IAPC, EM 1942 e posteriormente foi transferido para Caruaru onde foi datilógrafo, escriturário e fiscal, função que exerceu até aposentar em 1977.

A atividade de escritor caminhava em paralelo com as funções do IAPC. O intelectual é um ser que não tem descanso. Ninguém escreveu mais sobre a história de Caruaru do que Nelson Barbalho. Grande historiador e pesquisador. Ele contou a história de Pernambuco desde 1.100, Antes de Cristo até o século 20, nas origens do homem sertanejo / agrestino.

Publicar livros sempre foi difícil e Nelson sempre quebrou cabeça com isso. Sua maior chance de editar o primeiro livro teria sido em 1957 (Centenário de Caruaru) - "Uma Cidade Faz Cem Anos" - mas, não deu certo por desentendimentos políticos e só em 1969 ele publica o seu primeiro livro: "Major Sinval" - poeta e contador de histórias.

O primeiro livro de Nelson sobre Caruaru foi lançado em 1972 - "Caruaru, Caruaru". Já " O País de Caruaru" foi publicado em 1974, falando sobre a história política da cidade. Enfim, "Caruaru, De Vila a Cidade" publicado em 1980 fala da história cronológica da "Cidade dos Avelozes Esmeraldinos".

Nelson Barbalho e José Condé nasceram em 1918, por conseguinte, este ano em curso é o do centenário de ambos e coincidentemente foi lançado um livro inédito de Barbalho pelo Instituto Histórico de Caruaru e Editora CEPE (Companhia Editora de Pernambuco), justamente, a biografia de José Condé escrita por Nelson Barbalho.

Se eu, signatário deste escrito, não fosse advogado e escritor, gostaria de ser historiador, nos moldes de Nelson Barbalho, um homem, sobretudo, paciente.




Severino Melo - smelo2006@gmail.com - fone / Whatsapp 999727818 - Cidadão Honorário de Caruaru

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid