Pular para o conteúdo principal

Singela Homenagem a Nelson Barbalho - por Severino Melo

Nelson Barbalho de Siqueira, nasceu em Caruaru, no dia 02 de junho de 1918, era um domingo e no próximo sábado fechar-se-á o ciclo dos cem anos de seu nascimento.

Consta que ele faleceu de um infarto fulminante, numa sexta-feira, 22 de outubro de 1993, aos 75 anos de idade.

Publicou o Jornal Vanguarda há 10 anos: "... Ele escreveu 110 livros, dos quais 56 ficaram inéditos e mais 20 volumes de diários com registro político, histórico e sociológico da vida de Caruaru e do Brasil de seu tempo. Uma herança que sua filha caçula, a pediatra Valéria 

Barbalho, luta para não deixar cair no esquecimento".
Chamar o torrão natal de "País de Caruaru" e ou "Cidade Céu", foi um trunfo de Nelson Barbalho para imortalizar a "Princesa do Agreste".

Alisou ele os bancos do Colégio Americano Batista, no Recife, no afã de concluir o curso secundário, mas não atingiu tal desiderato. Tornou-se um autodidata, fez concurso para Fiscal do IAPC (Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Comerciários), sendo um honrado "Barnabé" e escritor, inclusive correspondente de escritores e pesquisadores, entre os quais, Carlos Drummond de Andrade e Câmara Cascudo.

Foi compositor. Chegou a assinar 144 composições, ainda que, apenas oito tenham sido gravadas.

Barbalho foi aluno do Poeta Augusto Tabosa e morou um tempo no Recife na década de 30 e voltou para Caruaru para trabalhar. Trabalhou na alfaiataria do seu pai, em frente ao Mercado de Farinha e depois foi para Campina Grande / PB, pelo IAPC, EM 1942 e posteriormente foi transferido para Caruaru onde foi datilógrafo, escriturário e fiscal, função que exerceu até aposentar em 1977.

A atividade de escritor caminhava em paralelo com as funções do IAPC. O intelectual é um ser que não tem descanso. Ninguém escreveu mais sobre a história de Caruaru do que Nelson Barbalho. Grande historiador e pesquisador. Ele contou a história de Pernambuco desde 1.100, Antes de Cristo até o século 20, nas origens do homem sertanejo / agrestino.

Publicar livros sempre foi difícil e Nelson sempre quebrou cabeça com isso. Sua maior chance de editar o primeiro livro teria sido em 1957 (Centenário de Caruaru) - "Uma Cidade Faz Cem Anos" - mas, não deu certo por desentendimentos políticos e só em 1969 ele publica o seu primeiro livro: "Major Sinval" - poeta e contador de histórias.

O primeiro livro de Nelson sobre Caruaru foi lançado em 1972 - "Caruaru, Caruaru". Já " O País de Caruaru" foi publicado em 1974, falando sobre a história política da cidade. Enfim, "Caruaru, De Vila a Cidade" publicado em 1980 fala da história cronológica da "Cidade dos Avelozes Esmeraldinos".

Nelson Barbalho e José Condé nasceram em 1918, por conseguinte, este ano em curso é o do centenário de ambos e coincidentemente foi lançado um livro inédito de Barbalho pelo Instituto Histórico de Caruaru e Editora CEPE (Companhia Editora de Pernambuco), justamente, a biografia de José Condé escrita por Nelson Barbalho.

Se eu, signatário deste escrito, não fosse advogado e escritor, gostaria de ser historiador, nos moldes de Nelson Barbalho, um homem, sobretudo, paciente.




Severino Melo - smelo2006@gmail.com - fone / Whatsapp 999727818 - Cidadão Honorário de Caruaru

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…