Pular para o conteúdo principal

Raça de gigantes - por Alderi Souza de Matos

Com a morte de Billy Graham, chegou ao fim uma galeria de personagens bastante singulares na história do protestantismo – os pregadores a grandes multidões, os evangelistas de massa. Graças aos seus talentos de oratória e organização, eles foram usados para levar a mensagem do evangelho a milhares e, depois, a milhões de pessoas. Esses pregadores foram indivíduos muitos diferentes entre si em seu nível educacional, filiação eclesiástica e posições teológicas, mas todos tiveram em comum o desejo abrasador de atrair para Cristo o maior número possível de pessoas. Eles também se interessaram por questões sociais, impulsionaram o trabalho missionário e criaram escolas e outras instituições. Seu ministério cobriu boa parte dos séculos 18, 19 e 20, deixando um legado valioso e duradouro.
O primeiro dessa nobre estirpe foi o inglês George Whitefield (1714–1770), um ministro anglicano com profundas convicções calvinistas, influenciado pelos grandes puritanos do século anterior. Sua maior inovação foram as pregações ao ar livre. Obviamente, Jesus e os apóstolos haviam usado esse método, mas ele nunca tinha sido utilizado pelos protestantes, sendo visto com desconfiança na Inglaterra. Whitefield viajou extensamente para pregar o evangelho, utilizando uma linguagem comum para alcançar o coração das pessoas comuns. Seu maior êxito ocorreu nas Treze Colônias, os futuros Estados Unidos, onde se tornou a pessoa mais conhecida do século em que viveu. Foi, ao lado do ilustre pastor Jonathan Edwards, um dos líderes do Primeiro Grande Despertamento, falando diariamente a multidões de até 8 mil pessoas. Conhecido como o “grande itinerante”, seu ministério evangelístico se estendeu por 33 anos, no qual pregou 15 mil sermões dos dois lados do Atlântico.

Outro grande evangelista do século 18 foi John Wesley (1703–1791), também um ministro da Igreja da Inglaterra. Ele era amigo e colega de Whitefield, que o incentivou a realizar o mesmo trabalho itinerante de pregações ao ar livre. Wesley foi influenciado pelos morávios, teve profunda experiência de conversão e se tornou um firme partidário da teologia arminiana. Durante mais de cinquenta anos, viajou cerca de 400 mil quilômetros e pregou 40 mil vezes em toda a extensão das Ilhas Britânicas. Declarou que o mundo todo era a sua paróquia. Foi um dos líderes do Avivamento Evangélico Inglês, ao lado do seu irmão Charles, e o fundador da Igreja Metodista.

Na primeira metade do século 19, outro notável evangelista foi o norte-americano Charles Grandison Finney (1792–1875), nascido um ano após a morte de Wesley. Ordenado como ministro presbiteriano, teve pouca educação teológica formal e abraçou um arminianismo radical. Realizou grandes campanhas evangelísticas, calculando-se em 500 mil o número de pessoas que atenderam aos seus apelos de conversão a Cristo, nos Estados Unidos e na Inglaterra. Finney dizia que o avivamento não era um milagre, mas resultava do uso de técnicas corretas, as chamadas “novas medidas”. Defendeu o chamado perfeccionismo cristão e o ativismo social, opondo-se à escravidão e defendendo os direitos das mulheres. Seu contemporâneo calvinista Asahel Nettleton também foi um grande evangelista e avivalista.

Na parte posterior do século 19, dois nomes se destacaram extraordinariamente. O primeiro foi o pastor batista inglês Charles Haddon Spurgeon (1834–1892), considerado o “príncipe do púlpito”. À semelhança de Whitefield, ele foi profundamente influenciado pelos puritanos, sendo um ardoroso calvinista. Durante seu ministério de quase quarenta anos em Londres, recebeu mais de 15 mil novos membros no Tabernáculo Metropolitano. Calcula-se que pregou a 10 milhões de pessoas, sendo que em certa ocasião falou a mais de 23 mil ouvintes. Fundou uma escola para a preparação de pregadores – Spurgeon’s College – e diversas instituições sociais, entre as quais um orfanato. Spurgeon foi um ávido leitor e seus livros de sermões constituem o maior conjunto de obras de um único autor na história do cristianismo.

Seu contemporâneo Dwight Lyman Moody (1837–1899) era americano, mas adquiriu notoriedade numa longa série de campanhas evangelísticas no Reino Unido, de 1873 a 1875. Somente na região metropolitana de Londres, falou durante quatro meses a 2,5 milhões de pessoas. Era um pregador leigo, e não um ministro ordenado. Foi influenciado por Spurgeon, a quem ouviu por várias vezes, mas não adotou uma posição teológica específica. Estima-se que em sua carreira tenha viajado mais de 1,5 milhão de quilômetros e falado a mais de 100 milhões de pessoas, inclusive no México, Canadá e França. Em um único dia da Exposição Mundial de Chicago, em 1893, mais de 130 mil pessoas participaram de reuniões evangelísticas coordenadas por Moody. Ele fundou o instituto bíblico e a editora que levam o seu nome.

No início do século 20, destacou-se na América a figura de William Ashley Sunday (1862–1935), mais conhecido como Billy Sunday, um ex-jogador de beisebol convertido aos 24 anos. Suas campanhas muito bem planejadas e sua pregação eletrizante alcançaram 100 milhões de pessoas. Todavia, ninguém imaginava que, dentro de poucas décadas, outro Billy teria êxito ainda mais extraordinário, graças aos avanços nos transportes e comunicações, atingindo maior número de países e de pessoas do que todos os seus antecessores somados. William Franklin Graham Jr. (1918–2018), mundialmente conhecido como Billy Graham, nasceu em uma fazenda na Carolina do Norte. A partir de 1949, pregou de viva voz a cerca de 210 milhões de ouvintes em 185 países. Certa vez, em Seul, na Coreia do Sul, falou a uma multidão de mais de um milhão de pessoas. Sua audiência total, inclusive pelo rádio e pela televisão, superou 2 bilhões de pessoas. Billy Graham se destacou pela sua integridade pessoal e foi conselheiro espiritual de muitos presidentes norte-americanos.

Esses varões de Deus escreveram páginas memoráveis na história do movimento evangélico e cristão. Sua coragem, consagração e coerência deixaram marcas profundas nos seus contemporâneos. Num mundo dominado pela internet e pelas redes sociais, provavelmente não se levantarão outros iguais a eles. Todavia, serão sempre uma inspiração para todos os que se dedicam à mais sublime das tarefas.

• Alderi Souza de Matos é doutor em história da igreja pela Universidade de Boston e professor no Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. É autor de Erasmo Braga, o Protestantismo e a Sociedade BrasileiraA Caminhada Cristã na História e Fundamentos da Teologia Histórica. Artigos de sua autoria estão disponíveis em http://cpaj.mackenzie.br/historiadaigreja.php.


Fonte: Ultimato

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…