Pular para o conteúdo principal

Projeto da igreja Metodista oferece banho para pessoas em situação de rua


Mais de 100 mil pessoas vivem em situação de rua no Brasil, segundo estimativa do Instituto Nacional de Pesquisa Aplicada (Ipea). Para quem vive na rua, poder tomar banho, vestir uma roupa limpa e tomar um café da manhã é algo raro. É oferecendo esses serviços para as pessoas em situação de rua em Natal, capital do Rio Grande do Norte, que o projeto Igreja nas Ruas quer testemunhar do evangelho.

A iniciativa é da igreja Metodista Central de Natal (RN) e começou há mais de três anos com a distribuição de sopa. “Ao deparar-nos com o numero gritante de pessoas vivendo em situação de rua em nossa cidade, pensamos como a igreja poderia anunciar o evangelho de Jesus e melhorar a vida dessas pessoas para devolver a elas a dignidade”, lembra Georg Roberto Emmerich, coordenador do projeto e pastor da Igreja Metodista Central.

Iniciativa acontece em Natal-RN. Foto: Divulgação


Desde março deste ano, o projeto passou oferecer também o serviço de banho, com um equipamento que foi anexado à Kombi do projeto. Com um gasto semanal de cento e cinquenta reais, a intenção é oferecer cinquenta banhos por dia.

Por enquanto o projeto funciona uma vez por semana, mas a intenção é poder estender o atendimento para outros dias. O pastor Georg conta como funciona: “Toda segunda-feira, às cinco e meia da manhã, o nosso equipamento sai com os colaboradores/as em direção à praça. Ao chegar no local, colocamos o equipamento para funcionar e já vão entrando em duplas para um banho, em seguida se dirigem para o café da manhã.”

O projeto conta com doações e uma equipe formada por cerca de dez voluntários. Pode parecer uma ação pequena diante da grande desigualdade social do país, mas o pastor Georg pensa diferente. “Já temos fruto desse projeto: um servo chamado Francisco, que já está trabalhando conosco. Ele recuperou sua dignidade e voltou a morar com sua mãe, que já é idosa e está muito feliz com a transformação do filho. Acreditamos que ao recuperar um ser humano diminuímos a desigualdade social”, argumenta.
Clique aqui e saiba mais sobre o projeto Igreja nas Ruas.


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid