Pular para o conteúdo principal

Projeto da igreja Metodista oferece banho para pessoas em situação de rua


Mais de 100 mil pessoas vivem em situação de rua no Brasil, segundo estimativa do Instituto Nacional de Pesquisa Aplicada (Ipea). Para quem vive na rua, poder tomar banho, vestir uma roupa limpa e tomar um café da manhã é algo raro. É oferecendo esses serviços para as pessoas em situação de rua em Natal, capital do Rio Grande do Norte, que o projeto Igreja nas Ruas quer testemunhar do evangelho.

A iniciativa é da igreja Metodista Central de Natal (RN) e começou há mais de três anos com a distribuição de sopa. “Ao deparar-nos com o numero gritante de pessoas vivendo em situação de rua em nossa cidade, pensamos como a igreja poderia anunciar o evangelho de Jesus e melhorar a vida dessas pessoas para devolver a elas a dignidade”, lembra Georg Roberto Emmerich, coordenador do projeto e pastor da Igreja Metodista Central.

Iniciativa acontece em Natal-RN. Foto: Divulgação


Desde março deste ano, o projeto passou oferecer também o serviço de banho, com um equipamento que foi anexado à Kombi do projeto. Com um gasto semanal de cento e cinquenta reais, a intenção é oferecer cinquenta banhos por dia.

Por enquanto o projeto funciona uma vez por semana, mas a intenção é poder estender o atendimento para outros dias. O pastor Georg conta como funciona: “Toda segunda-feira, às cinco e meia da manhã, o nosso equipamento sai com os colaboradores/as em direção à praça. Ao chegar no local, colocamos o equipamento para funcionar e já vão entrando em duplas para um banho, em seguida se dirigem para o café da manhã.”

O projeto conta com doações e uma equipe formada por cerca de dez voluntários. Pode parecer uma ação pequena diante da grande desigualdade social do país, mas o pastor Georg pensa diferente. “Já temos fruto desse projeto: um servo chamado Francisco, que já está trabalhando conosco. Ele recuperou sua dignidade e voltou a morar com sua mãe, que já é idosa e está muito feliz com a transformação do filho. Acreditamos que ao recuperar um ser humano diminuímos a desigualdade social”, argumenta.
Clique aqui e saiba mais sobre o projeto Igreja nas Ruas.


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup