Pular para o conteúdo principal

Os diferentes na sexualidade - por Fátima Fontes

“A mulher respondeu: – O senhor é judeu, e eu sou samaritana. Então como é que o senhor me pede água? (Ela disse isso porque os judeus não se dão com os samaritanos.)” (Jo 4.9)




Quero refletir neste texto sobre a desafiadora tarefa familiar de se ensinar aos filhos acerca das atuais formas de comportamento sexual e os novos arranjos relacionais, que diferem daquele que cremos ser o padrão sexual proposto a partir da nossa crença cristã, de um Deus que nos criou homem e mulher para que nos completássemos sexualmente.

O maior desafio fica com os pais e cuidadores, que na maioria das vezes nunca lidaram com a atual multiformidade na apresentação da sexualidade humana. Não entendemos, a partir da fé que professamos, que tenha sido esse o plano de nosso Deus para nossa sexualidade e nossos relacionamentos, mas também sabemos do quanto, desde o começo da criação, decidimos, humanamente falando, não realizar o plano de Deus.

Desconstruindo o relativismo
Visto que nossos filhos aprendem na família os valores que lhe são passados por seus cuidadores, torna-se fundamental que os responsáveis por esse ensino de valores deixem claro para as crianças e adolescentes aquilo que para nós é entendido como o plano de Deus.

Não se trata de dizer-lhes para rejeitar os atuais padrões e formatos de relacionamentos, mas sim que eles precisam ouvir de seus cuidadores que, para eles, as variações na sexualidade e arranjos relacionais atuais apresentam, segundo a crença cristã por eles professada, uma alteração lamentável do plano original de Deus.

Segundo o que cremos, Deus nos criou para o arranjo sexual e relacional a partir da complementação de nosso gênero homem e mulher. É preciso também deixar claro para as crianças e adolescentes que os papéis sociais de homem e mulher foram estabelecidos em nossa cultura com propostas de ações mais específicas para cada gênero e que os cuidadores das crianças concordam em seguir esse mapa social, ficando de fora as atitudes que parecem confundir e misturar os gêneros.

Devemos perder o medo que se instalou na educação de crianças e adolescentes de dizer aquilo no que pautamos nossa conduta e crença, ainda que isso seja diferente de novos conteúdos e novas pautas que estão sendo propostos para sexualidade e relacionamentos.

Ensinando o respeito às diferenças
Cremos, a partir de nossa fé cristã, no que Jesus nos ensinou sobre vivermos no mundo e não fora dele, afinal ele orou por nós pedindo a Deus que não nos tirasse do mundo, mas nos livrasse do mal.

Sendo assim, temos de lembrar aos pais e cuidadores os princípios fundamentais para a boa convivência humana que devem nortear seu ensino, tanto em relação àquele que pensa como nós, quanto em relação àquele que pensa e se apresenta diferente de nós: os princípios do respeito e da tolerância.

Na epígrafe deste artigo temos a bússola para esse ensino familiar: o encontro respeitoso de Jesus com a diferente mulher samaritana. Se acompanharmos a narrativa bíblica, apesar de todas as diferenças entre eles e de a vida daquela mulher não seguir o plano de Deus para ela, Jesus a dignificou como mulher, como ser humano, e lhe pediu algo; em resumo: ele se relacionou com ela.

Fica a lição: nossos filhos e alunos precisam conviver, de modo respeitoso e digno, com as pessoas que pensam e agem diferente daquilo que eles aprenderam. Não há uma “lepra” naquele que é diferente de nós e Jesus repudiou, de modo veemente, a conduta estigmatizante (aquela que segrega e desrespeita o diferente) religiosa.

Que sejamos sábios, misericordiosos, respeitosos e tolerantes com o atual cenário da sexualidade humana e de novos modelos de relacionamentos, salvaguardando o que cremos.

Fátima Fontes é psicóloga clínica, terapeuta familiar, doutora em psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) e membro pleno do Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos (CPPC).


Fonte: Ultimato

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Igreja Batista Pinheirópolis realiza III Culto Cívico

No próximo dia 01º de setembro, a partir das 18h, a Igreja Batista Pinheirópolis, em Caruaru, vai realizar um culto cívico alusivo à Semana da Pátria.
Na ocasião, haverá a presença de oficiais militares e paramilitares de Caruaru. A comunidade religiosa emitiu convites extensivos ao Exército (representado pelo Tiro de Guerra), além de órgãos como Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar e Polícia Civil. Ademais, também serão rendidas graças pelo Dia do Soldado, que foi em 25 de agosto, e o Dia da Independência do Brasil, em 7 de setembro.

O pastor Philip Daniel Warkentien, líder da IB Pinheirópolis, afirma que os convites já foram entregues às autoridades municipais. “Esperamos no Senhor que seja mais um Culto Cívico, que estará lotando a casa do Senhor nosso Deus e dedicando a Ele, que é o único digno de toda Honra, Glória e Louvor”, declara.

O mensageiro oficial da Palavra de Deus naquela ocasião será o coronel da Polícia Militar de Pernambuco Lenildo Maurício, que também é pastor ba…