Pular para o conteúdo principal

Os diferentes na sexualidade - por Fátima Fontes

“A mulher respondeu: – O senhor é judeu, e eu sou samaritana. Então como é que o senhor me pede água? (Ela disse isso porque os judeus não se dão com os samaritanos.)” (Jo 4.9)




Quero refletir neste texto sobre a desafiadora tarefa familiar de se ensinar aos filhos acerca das atuais formas de comportamento sexual e os novos arranjos relacionais, que diferem daquele que cremos ser o padrão sexual proposto a partir da nossa crença cristã, de um Deus que nos criou homem e mulher para que nos completássemos sexualmente.

O maior desafio fica com os pais e cuidadores, que na maioria das vezes nunca lidaram com a atual multiformidade na apresentação da sexualidade humana. Não entendemos, a partir da fé que professamos, que tenha sido esse o plano de nosso Deus para nossa sexualidade e nossos relacionamentos, mas também sabemos do quanto, desde o começo da criação, decidimos, humanamente falando, não realizar o plano de Deus.

Desconstruindo o relativismo
Visto que nossos filhos aprendem na família os valores que lhe são passados por seus cuidadores, torna-se fundamental que os responsáveis por esse ensino de valores deixem claro para as crianças e adolescentes aquilo que para nós é entendido como o plano de Deus.

Não se trata de dizer-lhes para rejeitar os atuais padrões e formatos de relacionamentos, mas sim que eles precisam ouvir de seus cuidadores que, para eles, as variações na sexualidade e arranjos relacionais atuais apresentam, segundo a crença cristã por eles professada, uma alteração lamentável do plano original de Deus.

Segundo o que cremos, Deus nos criou para o arranjo sexual e relacional a partir da complementação de nosso gênero homem e mulher. É preciso também deixar claro para as crianças e adolescentes que os papéis sociais de homem e mulher foram estabelecidos em nossa cultura com propostas de ações mais específicas para cada gênero e que os cuidadores das crianças concordam em seguir esse mapa social, ficando de fora as atitudes que parecem confundir e misturar os gêneros.

Devemos perder o medo que se instalou na educação de crianças e adolescentes de dizer aquilo no que pautamos nossa conduta e crença, ainda que isso seja diferente de novos conteúdos e novas pautas que estão sendo propostos para sexualidade e relacionamentos.

Ensinando o respeito às diferenças
Cremos, a partir de nossa fé cristã, no que Jesus nos ensinou sobre vivermos no mundo e não fora dele, afinal ele orou por nós pedindo a Deus que não nos tirasse do mundo, mas nos livrasse do mal.

Sendo assim, temos de lembrar aos pais e cuidadores os princípios fundamentais para a boa convivência humana que devem nortear seu ensino, tanto em relação àquele que pensa como nós, quanto em relação àquele que pensa e se apresenta diferente de nós: os princípios do respeito e da tolerância.

Na epígrafe deste artigo temos a bússola para esse ensino familiar: o encontro respeitoso de Jesus com a diferente mulher samaritana. Se acompanharmos a narrativa bíblica, apesar de todas as diferenças entre eles e de a vida daquela mulher não seguir o plano de Deus para ela, Jesus a dignificou como mulher, como ser humano, e lhe pediu algo; em resumo: ele se relacionou com ela.

Fica a lição: nossos filhos e alunos precisam conviver, de modo respeitoso e digno, com as pessoas que pensam e agem diferente daquilo que eles aprenderam. Não há uma “lepra” naquele que é diferente de nós e Jesus repudiou, de modo veemente, a conduta estigmatizante (aquela que segrega e desrespeita o diferente) religiosa.

Que sejamos sábios, misericordiosos, respeitosos e tolerantes com o atual cenário da sexualidade humana e de novos modelos de relacionamentos, salvaguardando o que cremos.

Fátima Fontes é psicóloga clínica, terapeuta familiar, doutora em psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) e membro pleno do Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos (CPPC).


Fonte: Ultimato

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid