Pular para o conteúdo principal

Os caminhos do homem e os caminhos de Deus


A Bíblia ensina que “há caminho que parece direito ao homem, mas o fim dele são os caminhos da morte” (Prov. 14:12) e que Deus contemplando os homens via que todos se desviaram como ovelhas e “cada um seguiu o seu próprio caminho” (Isa. 53:6).

Quando lemos a história dos dois primeiros irmãos vemos uma perfeita demonstração de que o homem nem sempre segue o caminho verdadeiro, segundo a vontade de Deus. Caim realizou um culto conforme o seu próprio querer e não como Deus exigia e por isso foi rejeitado. Abel, ao contrário, se submeteu humildemente ao plano divino e ofereceu uma vítima inocente para a remissão dos seus pecados e o Senhor aceitou a sua oferenda.

Ainda hoje muitos seguem os ensinos humanos e se apegam aos cultos materiais e aparatosos das religiões terrenas, os quais não têm valor algum aos olhos de Deus. Há uma infinidade de caminhos, um sem número de credos religiosos, mas nenhum garante a salvação ao pobre pecador sincero que anseia a comunhão com Deus.



O Evangelho, no entanto, apresenta o Senhor Jesus Cristo como o único meio de aceitação diante de Deus. Ele mesmo afirma: “Eu sou o caminho... ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6). Como Abel, podemos ser salvos, não por nossos méritos, mas quando aceitamos pela fé Aquele que morreu em nosso lugar e pelo seu sacrifício na cruz nos garante a entrada no céu.

Abandona os tortuosos atalhos dos ensinos do homem, leitor amigo, e crê em Cristo, o caminho que Deus oferece na Sua Palavra para tua redenção.

Texto publicado na Coluna Religiosa do extinto Jornal do Agreste, de 1954, em Caruaru-PE a cargo da Igreja Evangélica Congregacional

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup