Pular para o conteúdo principal

O que é esquerda e direita? (E “centro”) – por Alberto Mansueti

Não tenham medo da palavra “Direita”. Desde a revolução francesa de 1789 os socialistas chamam a si próprios de “esquerda” e chamam de “direita” os seus adversários, como se fosse um insulto, para pressionar e amedrontar. Embora seja certo que os socialistas agora não tenham exatamente as mesmas ideias que antes – nem os seus oponentes – não é verdade que os termos tenham perdido vigência ou os conceitos tenham se desatualizado; isso é mentira. Porém convém rastrear os significados das duas palavras desde a origem para compreendê-las bem.



1)                  Durante as sangrentas revoluções europeias de 1820, 1830, 1848, 1871 e 1917-18, foi chamada de esquerda a força ideológica e política que em nome do socialismo atacou violentamente o Governo limitado, o capitalismo e a prosperidade, a ética aceita socialmente (“victoriana”) e as instituições tradicionais: matrimônio, família e religião. Nestes trágicos massacres os socialistas assassinaram aldeias completas de pessoas, e dizimaram povos e vilas, e bairros ou setores inteiros em muitas cidades. A esquerda não tem prudência na hora de exterminar!

2)                  “Direita” foi o nome dado então à muito heterogênea aliança de fatores sociais, econômicos, religiosos, militares e políticos que reagiram (“reacionários”) resistindo com vigor e firme determinação às esquerdas: elites urbanas, classe média das vilas ou burgos (“burguesia”), igrejas, exército, monárquicos (constitucionais e absolutistas) e os tradicionalistas e conservadores. E liberais. Porém também mercantilistas. Porém já no século XX, desde as revoluções mexicana (1911) e russa (1917), as direitas se perderam em nostalgias românticas e defesas de privilégios e foram incapazes sequer de conter as esquerdas.

3)                  E dois tipos de facções ultrassocialistas emergiram: as do fascismo e nacional-socialismo e as do comunismo ou socialismo internacionalista (“proletário”). As segundas acusaram falsamente as primeiras de “direita” (“extrema!”). Porém não houve grandes diferenças; somente luta por poder. Sejam as camisas vermelhas, pretas ou pardas, os seus “êxitos” foram os mesmos: fome, miséria, opressão, guerras sem fim, campos de concentração, torturas, morte e sofrimentos. Balas e Sangue. Pol Pot e Che Guevara.

4)                  Embora depois de 1945 se foi impondo o demo-socialismo de camisa branca, em suas edições escandinavas, anglo-saxônicas – trabalhismo ou new deal – ou a francesa, árabe, sionista, íbero-americana, negras, terceiro-mundistas etc. Tampouco houve muitas diferenças e não muito melhores foram os frutos observados:
- estatismo: Estado intervencionista, ineficiente e parasita;
- gasto público sem limite, com impostos exorbitantes e em muitos casos astronômicas dívidas estatais;
- degradação da moeda e inflação dos preços e com alto desemprego;
- regulações paralisantes e anticompetitivas, com improdutividade e ineficiência nas empresas privadas;
- insegurança nas ruas, injustiça nos tribunais e corrupção galopante;
- e por último, mas não menos destacável: medicina e educação politicamente subordinadas aos Governos e de qualidade muito pobre e aposentadorias e pensões indignas e miseráveis.

Conclusão 1: se esquerda é o senhorio do Governo sobre todas as pessoas e entes privados, a deterioração da lei e da justiça independente, a divisão estatal da propriedade alheia, e a destruição da família, então ser de direita não é necessariamente pecado, delito ou desonra.
Está certo que a direita mercantilista favorece os privilégios, injustos e imorais. Porém a direita cristã e liberal – não mercantilista – sustenta a propriedade privada contra as expropriações, invasões, roubos e sequestros; afirma a lei e a ordem contra o crime e a anarquia; apoia o trabalho, o desenvolvimento, a inversão e a produção contra o distribucionismo populista, e a criação de riqueza contra a pobreza, e a família contra sua degradação e desaparecimento. Nada de mal.

Conclusão 2. Os remédios aos erros, desmandos e crimes da esquerda procedem da direita. Porém quando é mercantilista e antiliberal não são eficazes, então a esquerda ressurge, como castigo à direita indolente, ineficaz e inoperante.

Conclusão 3. Insultante deve ser considerada a palavra “esquerda”, por seus fracassos, tão evidentes e óbvios, que agora o socialismo, embora que mantendo sua essência, decidiu abandonar o leninismo e até o marxismo como fundamento “científico”, e trocou Lenin por Gramsci, e já não é proletário senão de classe média. Tampouco é racionalista nem ateu, diz ser cristão ou islâmico e em todo caso “espiritual”, solidário e “inclusivo”, ecológico, feminista, étnico e anticonsumista. Apela não para a razão mas para a emoção e sentimentos. E exceto pelo anti-EUA já não é nacionalista, agora vai de mão com o Governo Mundial (ONU) e o estatismo globalizado.

5)                  E o “centro”? É a tentativa de esconder-se em uma fórmula de compromisso, na prática sempre estadista, muito menos que ótima e intrinsecamente instável. Ou é um subterfúgio para evitar a definição.


Alberto Mansueti é um advogado e cientista político. Este é um trecho do seu livro “Las Leyes Malas (y el camino de la salida)”, publicado na Guatemala em 2009, traduzido livremente por ConTexto.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas