Pular para o conteúdo principal

O que é esquerda e direita? (E “centro”) – por Alberto Mansueti

Não tenham medo da palavra “Direita”. Desde a revolução francesa de 1789 os socialistas chamam a si próprios de “esquerda” e chamam de “direita” os seus adversários, como se fosse um insulto, para pressionar e amedrontar. Embora seja certo que os socialistas agora não tenham exatamente as mesmas ideias que antes – nem os seus oponentes – não é verdade que os termos tenham perdido vigência ou os conceitos tenham se desatualizado; isso é mentira. Porém convém rastrear os significados das duas palavras desde a origem para compreendê-las bem.



1)                  Durante as sangrentas revoluções europeias de 1820, 1830, 1848, 1871 e 1917-18, foi chamada de esquerda a força ideológica e política que em nome do socialismo atacou violentamente o Governo limitado, o capitalismo e a prosperidade, a ética aceita socialmente (“victoriana”) e as instituições tradicionais: matrimônio, família e religião. Nestes trágicos massacres os socialistas assassinaram aldeias completas de pessoas, e dizimaram povos e vilas, e bairros ou setores inteiros em muitas cidades. A esquerda não tem prudência na hora de exterminar!

2)                  “Direita” foi o nome dado então à muito heterogênea aliança de fatores sociais, econômicos, religiosos, militares e políticos que reagiram (“reacionários”) resistindo com vigor e firme determinação às esquerdas: elites urbanas, classe média das vilas ou burgos (“burguesia”), igrejas, exército, monárquicos (constitucionais e absolutistas) e os tradicionalistas e conservadores. E liberais. Porém também mercantilistas. Porém já no século XX, desde as revoluções mexicana (1911) e russa (1917), as direitas se perderam em nostalgias românticas e defesas de privilégios e foram incapazes sequer de conter as esquerdas.

3)                  E dois tipos de facções ultrassocialistas emergiram: as do fascismo e nacional-socialismo e as do comunismo ou socialismo internacionalista (“proletário”). As segundas acusaram falsamente as primeiras de “direita” (“extrema!”). Porém não houve grandes diferenças; somente luta por poder. Sejam as camisas vermelhas, pretas ou pardas, os seus “êxitos” foram os mesmos: fome, miséria, opressão, guerras sem fim, campos de concentração, torturas, morte e sofrimentos. Balas e Sangue. Pol Pot e Che Guevara.

4)                  Embora depois de 1945 se foi impondo o demo-socialismo de camisa branca, em suas edições escandinavas, anglo-saxônicas – trabalhismo ou new deal – ou a francesa, árabe, sionista, íbero-americana, negras, terceiro-mundistas etc. Tampouco houve muitas diferenças e não muito melhores foram os frutos observados:
- estatismo: Estado intervencionista, ineficiente e parasita;
- gasto público sem limite, com impostos exorbitantes e em muitos casos astronômicas dívidas estatais;
- degradação da moeda e inflação dos preços e com alto desemprego;
- regulações paralisantes e anticompetitivas, com improdutividade e ineficiência nas empresas privadas;
- insegurança nas ruas, injustiça nos tribunais e corrupção galopante;
- e por último, mas não menos destacável: medicina e educação politicamente subordinadas aos Governos e de qualidade muito pobre e aposentadorias e pensões indignas e miseráveis.

Conclusão 1: se esquerda é o senhorio do Governo sobre todas as pessoas e entes privados, a deterioração da lei e da justiça independente, a divisão estatal da propriedade alheia, e a destruição da família, então ser de direita não é necessariamente pecado, delito ou desonra.
Está certo que a direita mercantilista favorece os privilégios, injustos e imorais. Porém a direita cristã e liberal – não mercantilista – sustenta a propriedade privada contra as expropriações, invasões, roubos e sequestros; afirma a lei e a ordem contra o crime e a anarquia; apoia o trabalho, o desenvolvimento, a inversão e a produção contra o distribucionismo populista, e a criação de riqueza contra a pobreza, e a família contra sua degradação e desaparecimento. Nada de mal.

Conclusão 2. Os remédios aos erros, desmandos e crimes da esquerda procedem da direita. Porém quando é mercantilista e antiliberal não são eficazes, então a esquerda ressurge, como castigo à direita indolente, ineficaz e inoperante.

Conclusão 3. Insultante deve ser considerada a palavra “esquerda”, por seus fracassos, tão evidentes e óbvios, que agora o socialismo, embora que mantendo sua essência, decidiu abandonar o leninismo e até o marxismo como fundamento “científico”, e trocou Lenin por Gramsci, e já não é proletário senão de classe média. Tampouco é racionalista nem ateu, diz ser cristão ou islâmico e em todo caso “espiritual”, solidário e “inclusivo”, ecológico, feminista, étnico e anticonsumista. Apela não para a razão mas para a emoção e sentimentos. E exceto pelo anti-EUA já não é nacionalista, agora vai de mão com o Governo Mundial (ONU) e o estatismo globalizado.

5)                  E o “centro”? É a tentativa de esconder-se em uma fórmula de compromisso, na prática sempre estadista, muito menos que ótima e intrinsecamente instável. Ou é um subterfúgio para evitar a definição.


Alberto Mansueti é um advogado e cientista político. Este é um trecho do seu livro “Las Leyes Malas (y el camino de la salida)”, publicado na Guatemala em 2009, traduzido livremente por ConTexto.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid