Pular para o conteúdo principal

O que é esquerda e direita? (E “centro”) – por Alberto Mansueti

Não tenham medo da palavra “Direita”. Desde a revolução francesa de 1789 os socialistas chamam a si próprios de “esquerda” e chamam de “direita” os seus adversários, como se fosse um insulto, para pressionar e amedrontar. Embora seja certo que os socialistas agora não tenham exatamente as mesmas ideias que antes – nem os seus oponentes – não é verdade que os termos tenham perdido vigência ou os conceitos tenham se desatualizado; isso é mentira. Porém convém rastrear os significados das duas palavras desde a origem para compreendê-las bem.



1)                  Durante as sangrentas revoluções europeias de 1820, 1830, 1848, 1871 e 1917-18, foi chamada de esquerda a força ideológica e política que em nome do socialismo atacou violentamente o Governo limitado, o capitalismo e a prosperidade, a ética aceita socialmente (“victoriana”) e as instituições tradicionais: matrimônio, família e religião. Nestes trágicos massacres os socialistas assassinaram aldeias completas de pessoas, e dizimaram povos e vilas, e bairros ou setores inteiros em muitas cidades. A esquerda não tem prudência na hora de exterminar!

2)                  “Direita” foi o nome dado então à muito heterogênea aliança de fatores sociais, econômicos, religiosos, militares e políticos que reagiram (“reacionários”) resistindo com vigor e firme determinação às esquerdas: elites urbanas, classe média das vilas ou burgos (“burguesia”), igrejas, exército, monárquicos (constitucionais e absolutistas) e os tradicionalistas e conservadores. E liberais. Porém também mercantilistas. Porém já no século XX, desde as revoluções mexicana (1911) e russa (1917), as direitas se perderam em nostalgias românticas e defesas de privilégios e foram incapazes sequer de conter as esquerdas.

3)                  E dois tipos de facções ultrassocialistas emergiram: as do fascismo e nacional-socialismo e as do comunismo ou socialismo internacionalista (“proletário”). As segundas acusaram falsamente as primeiras de “direita” (“extrema!”). Porém não houve grandes diferenças; somente luta por poder. Sejam as camisas vermelhas, pretas ou pardas, os seus “êxitos” foram os mesmos: fome, miséria, opressão, guerras sem fim, campos de concentração, torturas, morte e sofrimentos. Balas e Sangue. Pol Pot e Che Guevara.

4)                  Embora depois de 1945 se foi impondo o demo-socialismo de camisa branca, em suas edições escandinavas, anglo-saxônicas – trabalhismo ou new deal – ou a francesa, árabe, sionista, íbero-americana, negras, terceiro-mundistas etc. Tampouco houve muitas diferenças e não muito melhores foram os frutos observados:
- estatismo: Estado intervencionista, ineficiente e parasita;
- gasto público sem limite, com impostos exorbitantes e em muitos casos astronômicas dívidas estatais;
- degradação da moeda e inflação dos preços e com alto desemprego;
- regulações paralisantes e anticompetitivas, com improdutividade e ineficiência nas empresas privadas;
- insegurança nas ruas, injustiça nos tribunais e corrupção galopante;
- e por último, mas não menos destacável: medicina e educação politicamente subordinadas aos Governos e de qualidade muito pobre e aposentadorias e pensões indignas e miseráveis.

Conclusão 1: se esquerda é o senhorio do Governo sobre todas as pessoas e entes privados, a deterioração da lei e da justiça independente, a divisão estatal da propriedade alheia, e a destruição da família, então ser de direita não é necessariamente pecado, delito ou desonra.
Está certo que a direita mercantilista favorece os privilégios, injustos e imorais. Porém a direita cristã e liberal – não mercantilista – sustenta a propriedade privada contra as expropriações, invasões, roubos e sequestros; afirma a lei e a ordem contra o crime e a anarquia; apoia o trabalho, o desenvolvimento, a inversão e a produção contra o distribucionismo populista, e a criação de riqueza contra a pobreza, e a família contra sua degradação e desaparecimento. Nada de mal.

Conclusão 2. Os remédios aos erros, desmandos e crimes da esquerda procedem da direita. Porém quando é mercantilista e antiliberal não são eficazes, então a esquerda ressurge, como castigo à direita indolente, ineficaz e inoperante.

Conclusão 3. Insultante deve ser considerada a palavra “esquerda”, por seus fracassos, tão evidentes e óbvios, que agora o socialismo, embora que mantendo sua essência, decidiu abandonar o leninismo e até o marxismo como fundamento “científico”, e trocou Lenin por Gramsci, e já não é proletário senão de classe média. Tampouco é racionalista nem ateu, diz ser cristão ou islâmico e em todo caso “espiritual”, solidário e “inclusivo”, ecológico, feminista, étnico e anticonsumista. Apela não para a razão mas para a emoção e sentimentos. E exceto pelo anti-EUA já não é nacionalista, agora vai de mão com o Governo Mundial (ONU) e o estatismo globalizado.

5)                  E o “centro”? É a tentativa de esconder-se em uma fórmula de compromisso, na prática sempre estadista, muito menos que ótima e intrinsecamente instável. Ou é um subterfúgio para evitar a definição.


Alberto Mansueti é um advogado e cientista político. Este é um trecho do seu livro “Las Leyes Malas (y el camino de la salida)”, publicado na Guatemala em 2009, traduzido livremente por ConTexto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…