Pular para o conteúdo principal

Movimento Maio Amarelo segue até o dia 30

É clássico o episódio Motor Mania, da Disney em que o Pateta vivencia o pacato Mr. Walker (pedestre), que se transforma no odioso Mr. Wheeler (motorista) ao assumir a direção de um veículo. O desenho já tem 68 anos de produzido, porém o comportamento dos condutores no trânsito ainda precisa de melhores orientações. Daí surgem movimentos como o Maio Amarelo, que este ano conta com o tema “Nós somos o trânsito”.

O objetivo é estimular a promoção de atividades voltadas à conscientização, ao amplo debate das responsabilidades e à avaliação de riscos sobre o comportamento de cada cidadão dentro de seus deslocamentos diários no trânsito. O movimento é realizado mundialmente durante todo o mês de maio, mas em Caruaru é encabeçado pela Autarquia Municipal de Defesa Social, Trânsito e Transportes (Destra), em parceria com outras instituições. “Precisamos trazer para o dia a dia, o uso das melhores práticas, conscientizando os usuários, motoristas, pedestres, motociclistas e que possamos fazer um trânsito melhor”, relata o diretor presidente da Destra, Roberto Bezerra. 

Movimento chama a atenção para o trânsito. Foto: PMC/Divulgação


Sob esta perspectiva, aproximadamente 20 órgãos estão reunidos no I Comitê do Maio Amarelo em Caruaru, o qual está desenvolvendo uma programação que teve início no dia 02 e segue até o dia 30 de maio.  O Comitê é formado pela TV Asa Branca, Rádios Liberdade, SINDLOJA, DETRAN, LEI SECA, BIESP, PRF, 4º BPM, OAB, SEST-SENAT, GRE (Gerência Regional de Educação), IV GERES, Capital do Agreste, UNINASSAU, UNIFAVIP, ASCES, APODEC e Pedala PE. 

Atividade na escola estadual Irmã Sônia. Foto: Divulgação


A programação conta com palestras em escolas, ações nas ruas, colóquios e pedaladas. Para o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Caruaru (Acic), Pedro Miranda, o Maio Amarelo é de fundamental importância para conscientizar a população sobre as regras de trânsito. “Respeito às leis de trânsito é respeitar a vida. Por isso, a Acic, que é parceira desta campanha, firma compromisso em disseminar as informações necessárias para que todos os motoristas e pedestres tenham consciência de que as ruas não são campos de batalha, nem pistas de corrida. É dever de todos promover a paz no trânsito para que mortes sejam evitadas”, avalia.

Diretor da Ciretran destaca lado educativo do
Maio Amarelo. Foto: Divulgação
Entre as atenções especiais na campanha, estão os motociclistas. Caruaru tem a segunda maior frota de motocicletas do estado de Pernambuco, são cerca de 70 mil veículos de duas rodas, atrás apenas de Recife.  O coordenador da 4ª Circunscrição Regional de Trânsito de Caruaru (Ciretran), Raffiê Dellon, salienta que os frutos da campanha resultarão na modificação da cultura acerca do trânsito. “O Maio Amarelo de Caruaru foca no condutor do hoje, e também no condutor do amanhã. Em 15 dias já foram mais de 1200 alunos participantes, no Ensino Médio e Superior. E o foco tem sido sim, a atenção a motocicleta. Inclusive, na nossa Blitz Educativa, que reuniu, PRF, DETRAN, DESTRA, Operação Lei Seca, BIESP e SEST/SENAT, focamos nisso”, declara.

Outro fator que chama a atenção das entidades responsáveis pelo trânsito é a mistura de álcool com direção. Para o coordenador da 4ª Ciretran, duas estratégias devem ser utilizadas para minimizar esta situação: a educativa e a punitiva. “Infelizmente quando a primeira não é, digamos, ‘respeitada’, não tem outra forma que não seja a punitiva. A Operação Lei Seca em Pernambuco, afirmo com letras garrafais, é uma das operações mais eficientes do país, é uma daquelas poucos ferramentas no comparativo com outros programas nos três níveis, que a gente pode bater no peito e se gabar por funcionar”, observa Dellon.
 

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup