Pular para o conteúdo principal

A Suprema Importância da Família – por Manoel Nascimento

Quando paramos para refletir a respeito da suprema importância da família, um grande senso de responsabilidade domina de uma forma profunda o nosso ser, toda a nossa personalidade; pois existem pelo menos três áreas em que a suprema importância da família se manifesta:

Em primeiro lugar, a suprema importância da família se manifesta em relação ao indivíduo, à pessoa. Todo ser humano precisa de um ponto de referência que lhe sirva, ao mesmo tempo de apoio, de diretriz, de norte, de bússola. Assim sendo, a família como círculo relacional mais significativo para o indivíduo, torna-se esse ponto de referência. É a família que deve oferecer ao indivíduo a confiança básica, isto é, uma preparação preliminar, com a qual ele enfrentará todos os problemas e dificuldades da vida. É portanto no contexto da família onde o indivíduo, em condições normais, forma as atitudes básicas que determinarão seu modo de conduzir-se diante da realidade social, diante de si mesmo e diante dos valores espirituais que transcendem à própria existência humana. Eis a razão porque a Palavra de Deus preceitua: “Instrui o menino (o indivíduo) no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele" (Prov. 22:6). Esta instrução tem a ver com as atitudes sadias que são formadas no ambiente familiar e que se projetam para toda a existência da pessoa.



Em segundo lugar, a suprema importância da família se manifesta em relação à sociedade. A sociedade humana somos todos nós, com valores, cultura e instituições. A sociedade humana para poder existir requer certo grau de organização, pois sem ordem a sociedade humana se transforma num caos insuportável, onde prevalece a anarquia e o desrespeito. De todas as instituições humanas responsáveis pela organização da sociedade, nenhuma é mais importante do que a família. A suprema importância está relacionada com a sua origem, a família nasceu do coração de Deus, foi Ele Quem afirmou: “Não é bom que o homem esteja só, far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea” (Gn. 2:18). Pela sua suprema importância, é a família a responsável pelo processo de socialização do ser humano. É ela que prepara o homem para todos os tipos de inter-relação significativa no contexto social. É a família a responsável pela preservação dos valores sociais, morais e espirituais, que orientam, forma e dão um sentido de vida às pessoas. Na medida em que a família perde a sua identidade, os reflexos deteriorativos, enfermiços são evidenciados na sociedade humana de modo geral.

Em terceiro lugar, a suprema importância da família se manifesta em relação a própria igreja do Senhor Jesus Cristo. Através dos ensinos da Bíblia Sagrada, compreendemos que a família é uma instituição profunda e essencialmente bíblica. Inúmeras passagens bíblicas abordam esta realidade, por exemplo a Bíblia afirma: “Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e se unirá a sua mulher, e serão os dois uma só carne. Grande é este mistério, mas eu falo em referência a Cristo e à igreja. Todavia também vós, cada um de per si, assim ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher respeite (reverencie) a seu marido” (Ef 5:31-32). O valor que a Bíblia delega à família é tão sublime que o apóstolo Paulo afirmou: “Mas, se alguém não cuida dos seus, e especialmente dos da sua família, tem negado a fé, e é pior do que um incrédulo” (I Tim 5:8). Há uma relação muito íntima entre família e igreja. Os problemas da família afetam a igreja, e a verdade mais contundente é que uma igreja não pode ser forte se as famílias que a compõem são fracas e desajustadas, moral, emocional e espiritualmente.

É de fundamental urgência que tenhamos nossos olhos abertos para a suprema importância da família em relação ao indivíduo, a sociedade e à própria igreja do Senhor Jesus Cristo. Com nossos olhos abertos para esta realidade, trabalhemos, façamos nossa parte; a fim de que a família seja para nós aqui na terra o que ela já é para Deus, uma instituição divina de suprema importância.

Manoel Nascimento é pastor e psicólogo. Este é um trecho do livro ‘A família no plano de Deus’, publicado em Caruaru-PE em 1993

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio