Pular para o conteúdo principal

“A Igreja é uma das partes deste mundo que vai existir no próximo”, diz o pastor Emilio Garofalo Neto


Com um estilo dinâmico, o pastor Emilio Garofalo Neto aborda, no livro As Boas Novas em Rute – Redenção nos campos do Senhor, a complexidade da condição humana através do drama do relato bíblico narrado no livro de Rute. A obra, publicada pela Editora Monergismo, foi lançada em Caruaru na terça-feira 22, na 2ª Igreja Evangélica Congregacional Vale da Bênção, situada na Vila Kennedy. Na ocasião, o autor concedeu uma entrevista exclusiva a ConTexto, na qual disserta um pouco sobre o livro e comenta acerca de novos projetos. Confira:

Como o senhor analisa esta sua passagem por Caruaru? É uma surpresa fazer um roteiro que inclui o interior, já que este tipo de programação normalmente fica restrito às capitais?
De fato, fiquei muito feliz quando soube que viria ao interior. Realmente, a maioria dos roteiros envolve as capitais, não somente em Pernambuco, mas em todos os outros estados. Eu fiquei feliz em poder vir a Caruaru, mas fiquei triste por ter sido tão rapidinho. Cheguei agora à noite e só estou vendo a cidade no escuro. Queria poder ver melhor Caruaru. Quem sabe em outra oportunidade.

Em seu livro As Boas Novas em Rute – Redenção nos campos do Senhor, é feita uma analogia entre a história da Salvação e o livro de Rute, que normalmente é utilizado nos púlpitos para abordar temas referentes a relacionamentos. Como o senhor encontrou este mote para o livro?
De fato, há muito o que se aprender no livro de Rute sobre relacionamentos, masculinidade, feminilidade. São temas do livro, de fato. Agora, o próprio Senhor Jesus nos ensinou que todo o Antigo Testamento é, de uma forma ou de outra, acerca dEle.  Eu não estou ‘inventando’ isto agora. Tem vários outros comentaristas e estudiosos que mostram a importância da história de Rute não somente como a narrativa bonita sobre um casal, mas também sobre a história da redenção. A Bíblia nos mostra que havia um mistério oculto que é revelado no Novo Testamento: a inclusão dos gentios no pacto. Mas a Bíblia nos mostra que mesmo na história da redenção, antes da vinda de Cristo, a gente já tem alguns exemplos de pessoas de outros povos, pela Graça do Senhor, sendo incluídas na aliança. O livro de Rute mostra uma dessas histórias. Mostra Rute, uma moabita – com todas as dificuldades envolvidas nisso – vivenciando uma fé verdadeira e fazendo parte do povo de Deus. No Novo Testamento, esse movimento é apresentado em grande escala, é gente que não nasceu no povo de Israel, mas é pela graça incluído no verdadeiro Israel, que é a Igreja.


O senhor também, ao longo do livro, compara o trecho em que Elimeleque sai de Jerusalém para Moabe (Rute 1:1) com a Igreja, quando um cristão abandona a comunhão. De que forma o senhor analisa a importância da Igreja para os tempos de hoje?
Eu creio que a Igreja é essencial. A Igreja é uma das partes deste mundo que vai existir no próximo. O povo do Senhor, de todas as línguas, tribos e nações, reunido. Um grande povo que Deus está reunindo para que possa existir em um novo céu e uma nova terra. Então, quando a Terra for refeita e tudo o que for pecaminoso destruído, esse povo será revestido de incorruptibilidade e habitará esta nova Terra. Eu entendo que é essencial para o cristão participar do povo de Deus, estar na comunhão local, a analogia paulina do corpo é muito séria, muito importante. Muitas vezes, há cristãos que se julgam membros que não precisam do corpo e acabam sendo membros que não recebem irrigação do sangue, não servem nem são servidos. A Igreja é muito importante, é a Noiva eterna do Senhor.

Após o pecado, o ser humano ficou em uma condição, digamos que, de debilidade – se o termo não for um eufemismo. A Igreja pode ser um ‘suporte’ que equilibra esta debilidade do ser humano?
Sem dúvida. De fato, debilidade é um eufemismo. A Bíblia fala em morte espiritual. Para aqueles que foram trazidos da morte para a vida, que morreram com Cristo e foram ressuscitados com Ele – como diz em Colossenses 3 –, esses são chamados a viver no corpo de Cristo, em união a Cristo, suportando uns aos outros. A Bíblia usa essa terminologia: “suportando uns aos outros”, ou seja, apoiando uns aos outros. Então, a forma do cristão crescer é no contexto do corpo, onde somos instados a desenvolver nossos dons e talentos. É no contexto do corpo onde outros irmãos, que receberam dons e talentos diferentes dos nossos, nos servem. Nós não podemos dizer para outra parte: “Não preciso de você”. Então, em nossa caminhada até o céu, precisamos do corpo do Senhor, apesar dos seus erros e dificuldades.

Além do livro ‘As Boas Novas em Rute’, o senhor está produzindo uma obra que fala em futebol... como é este projeto?
Eu estou lançando outro livro, que deve sair antes da Copa, se tudo der certo. Um livro onde eu faço uma análise teológica sobre o futebol. Não é um livro vendo apenas as coisas boas ou as coisas ruins, mas é um livro onde tento entender como não só o futebol, mas também jogos e brincadeiras, são coisas que estão no coração humano. Eu tento apresentar algumas razões criacionais porque isso acontece e também mostro como o pecado se enrosca em todos os tipos de coisas. Tento mostrar, ainda, como nós buscamos nos esportes e em outras coisas aspectos da redenção que nós só encontraremos em Deus. Então, é uma forma de tentar analisar diversos aspectos do futebol à luz da Palavra de Deus. Este será o segundo livro que lançarei, o primeiro foi o de Rute, mas tenho muitos artigos publicados na internet.

Como o senhor analisa a importância de haver produções literárias e teológicas brasileiras? Normalmente, o brasileiro consome muitas produções estrangeiras. Na sua opinião, têm sido abertos os espaços para pensar em uma teologia efetivamente brasileira?
Vamos definir alguns termos. Eu entendo que a gente não deve falar em uma teologia brasileira no sentido de uma teologia culturalmente determinada. É claro que nossa cultura influencia nossa teologia, mas a gente pode aprender de homens do norte da África, como Agostinho, que viveu há 1.500 anos, assim como de homens que viveram 500 anos atrás na França e na Alemanha, há 200 anos nos Estados Unidos, e de homens que vivem hoje em todos os lugares do mundo. Então, se a teologia está vindo das Escrituras, ela é proveitosa, independente de quem a fez. Dito isto, creio que, sim, é uma alegria ver que no mercado editorial brasileiro há muitos bons escritores brasileiros fazendo teologia a partir das Escrituras, usando a Bíblia para entender o mundo e entender o que Deus revela sobre Ele mesmo e o que Ele espera sobre nós. Assim vejo, não só na Editora Monergismo, mas em várias outras boas editoras excelentes obras de autores brasileiros.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Estímulo à leitura através da produção literária

Dentre os ofícios do professor, encontra-se o de conduzir os alunos ao universo das artes; ao professor de língua portuguesa, cujo objeto de estudo é a palavra, abordar a arte literária é fundante, nesse intuito, os professores da Escola de Referência em Ensino Médio Professor Lisboa, localizada no bairro da Cohab I, em Caruaru — Pernambucano promovem bimestralmente saraus literários com o foco no despertar da leitura e produção escrita de seus alunos. 



Anualmente, a escola realiza o Concurso de Redação Professora Fernanda Freitas (esse nome é homenagem póstuma a uma ex professora); o concurso elenca diversos gêneros textuais dentre literários e argumentativos; este ano, em sua quarta edição e com o tema “Pelos caminhos da leitura: descobertas do eu e do mundo” os alunos debruçar-se-ão nos gêneros: conto, crônica, dissertação-argumentativa, carta e/ou poesia.
Ademais do concurso, na manhã de premiação dos primeiros colocados em cada categoria, ocorre concomitantemente a publicação da An…