Pular para o conteúdo principal

“A Igreja é uma das partes deste mundo que vai existir no próximo”, diz o pastor Emilio Garofalo Neto


Com um estilo dinâmico, o pastor Emilio Garofalo Neto aborda, no livro As Boas Novas em Rute – Redenção nos campos do Senhor, a complexidade da condição humana através do drama do relato bíblico narrado no livro de Rute. A obra, publicada pela Editora Monergismo, foi lançada em Caruaru na terça-feira 22, na 2ª Igreja Evangélica Congregacional Vale da Bênção, situada na Vila Kennedy. Na ocasião, o autor concedeu uma entrevista exclusiva a ConTexto, na qual disserta um pouco sobre o livro e comenta acerca de novos projetos. Confira:

Como o senhor analisa esta sua passagem por Caruaru? É uma surpresa fazer um roteiro que inclui o interior, já que este tipo de programação normalmente fica restrito às capitais?
De fato, fiquei muito feliz quando soube que viria ao interior. Realmente, a maioria dos roteiros envolve as capitais, não somente em Pernambuco, mas em todos os outros estados. Eu fiquei feliz em poder vir a Caruaru, mas fiquei triste por ter sido tão rapidinho. Cheguei agora à noite e só estou vendo a cidade no escuro. Queria poder ver melhor Caruaru. Quem sabe em outra oportunidade.

Em seu livro As Boas Novas em Rute – Redenção nos campos do Senhor, é feita uma analogia entre a história da Salvação e o livro de Rute, que normalmente é utilizado nos púlpitos para abordar temas referentes a relacionamentos. Como o senhor encontrou este mote para o livro?
De fato, há muito o que se aprender no livro de Rute sobre relacionamentos, masculinidade, feminilidade. São temas do livro, de fato. Agora, o próprio Senhor Jesus nos ensinou que todo o Antigo Testamento é, de uma forma ou de outra, acerca dEle.  Eu não estou ‘inventando’ isto agora. Tem vários outros comentaristas e estudiosos que mostram a importância da história de Rute não somente como a narrativa bonita sobre um casal, mas também sobre a história da redenção. A Bíblia nos mostra que havia um mistério oculto que é revelado no Novo Testamento: a inclusão dos gentios no pacto. Mas a Bíblia nos mostra que mesmo na história da redenção, antes da vinda de Cristo, a gente já tem alguns exemplos de pessoas de outros povos, pela Graça do Senhor, sendo incluídas na aliança. O livro de Rute mostra uma dessas histórias. Mostra Rute, uma moabita – com todas as dificuldades envolvidas nisso – vivenciando uma fé verdadeira e fazendo parte do povo de Deus. No Novo Testamento, esse movimento é apresentado em grande escala, é gente que não nasceu no povo de Israel, mas é pela graça incluído no verdadeiro Israel, que é a Igreja.


O senhor também, ao longo do livro, compara o trecho em que Elimeleque sai de Jerusalém para Moabe (Rute 1:1) com a Igreja, quando um cristão abandona a comunhão. De que forma o senhor analisa a importância da Igreja para os tempos de hoje?
Eu creio que a Igreja é essencial. A Igreja é uma das partes deste mundo que vai existir no próximo. O povo do Senhor, de todas as línguas, tribos e nações, reunido. Um grande povo que Deus está reunindo para que possa existir em um novo céu e uma nova terra. Então, quando a Terra for refeita e tudo o que for pecaminoso destruído, esse povo será revestido de incorruptibilidade e habitará esta nova Terra. Eu entendo que é essencial para o cristão participar do povo de Deus, estar na comunhão local, a analogia paulina do corpo é muito séria, muito importante. Muitas vezes, há cristãos que se julgam membros que não precisam do corpo e acabam sendo membros que não recebem irrigação do sangue, não servem nem são servidos. A Igreja é muito importante, é a Noiva eterna do Senhor.

Após o pecado, o ser humano ficou em uma condição, digamos que, de debilidade – se o termo não for um eufemismo. A Igreja pode ser um ‘suporte’ que equilibra esta debilidade do ser humano?
Sem dúvida. De fato, debilidade é um eufemismo. A Bíblia fala em morte espiritual. Para aqueles que foram trazidos da morte para a vida, que morreram com Cristo e foram ressuscitados com Ele – como diz em Colossenses 3 –, esses são chamados a viver no corpo de Cristo, em união a Cristo, suportando uns aos outros. A Bíblia usa essa terminologia: “suportando uns aos outros”, ou seja, apoiando uns aos outros. Então, a forma do cristão crescer é no contexto do corpo, onde somos instados a desenvolver nossos dons e talentos. É no contexto do corpo onde outros irmãos, que receberam dons e talentos diferentes dos nossos, nos servem. Nós não podemos dizer para outra parte: “Não preciso de você”. Então, em nossa caminhada até o céu, precisamos do corpo do Senhor, apesar dos seus erros e dificuldades.

Além do livro ‘As Boas Novas em Rute’, o senhor está produzindo uma obra que fala em futebol... como é este projeto?
Eu estou lançando outro livro, que deve sair antes da Copa, se tudo der certo. Um livro onde eu faço uma análise teológica sobre o futebol. Não é um livro vendo apenas as coisas boas ou as coisas ruins, mas é um livro onde tento entender como não só o futebol, mas também jogos e brincadeiras, são coisas que estão no coração humano. Eu tento apresentar algumas razões criacionais porque isso acontece e também mostro como o pecado se enrosca em todos os tipos de coisas. Tento mostrar, ainda, como nós buscamos nos esportes e em outras coisas aspectos da redenção que nós só encontraremos em Deus. Então, é uma forma de tentar analisar diversos aspectos do futebol à luz da Palavra de Deus. Este será o segundo livro que lançarei, o primeiro foi o de Rute, mas tenho muitos artigos publicados na internet.

Como o senhor analisa a importância de haver produções literárias e teológicas brasileiras? Normalmente, o brasileiro consome muitas produções estrangeiras. Na sua opinião, têm sido abertos os espaços para pensar em uma teologia efetivamente brasileira?
Vamos definir alguns termos. Eu entendo que a gente não deve falar em uma teologia brasileira no sentido de uma teologia culturalmente determinada. É claro que nossa cultura influencia nossa teologia, mas a gente pode aprender de homens do norte da África, como Agostinho, que viveu há 1.500 anos, assim como de homens que viveram 500 anos atrás na França e na Alemanha, há 200 anos nos Estados Unidos, e de homens que vivem hoje em todos os lugares do mundo. Então, se a teologia está vindo das Escrituras, ela é proveitosa, independente de quem a fez. Dito isto, creio que, sim, é uma alegria ver que no mercado editorial brasileiro há muitos bons escritores brasileiros fazendo teologia a partir das Escrituras, usando a Bíblia para entender o mundo e entender o que Deus revela sobre Ele mesmo e o que Ele espera sobre nós. Assim vejo, não só na Editora Monergismo, mas em várias outras boas editoras excelentes obras de autores brasileiros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…