Pular para o conteúdo principal

A Celebração da Morte – por Franklin Ferreira

A Irlanda, país de maioria católica, aprovou em 25 de maio a legalização do aborto, com 66,4% de votos a favor. No vídeo, mulheres riem e se abraçam quando saiu o resultado do referendo.



No Brasil, onde o aborto é ilegal, estima-se que sejam realizados cerca de 100 mil por ano.

E a prática de abortos só tem aumentado em países que o legalizam: nos EUA, são realizados 730 mil abortos por ano; na França, 200.000; na Suécia, 40.000; na Inglaterra, 100.000; no Japão, 200.000.

Um verdadeiro holocausto!

E aqueles que defendem o aborto não estão preocupados com as vidas inocentes que estão sendo exterminadas nem com a saúde física e psicológica das mulheres que abortam.

Por outro lado, a Escritura Cristã ensina que a vida começa na concepção e deve ser respeitada. Também ensina que toda vida é valiosa para Deus, e intocável – pois somente Deus, o autor da vida, possui o direito de decidir quem vive e quem morre.

Como Tertuliano explicou: “Em nosso caso, já que proibimos o homicídio em qualquer forma, não podemos destruir nem sequer ao menino na matriz... Impedir que nasça um menino é somente uma forma de matar. Não há diferença se mata a vida do que nasceu já, ou se mata a vida do que não nasceu ainda”.

E a Escritura também ensina a responsabilidade da igreja cristã diante da cultura da morte, um dos sinais de uma sociedade que está perecendo: “Na antiga Roma, muitos recém-nascidos foram adotados pelos cristãos e preservados por causa da sua fé em Cristo. O aborto desapareceu [....] [no Império Romano tardio], assim como o infanticídio e o abandono de bebês. Houve mesmo um apelo para que as crianças rejeitadas fossem trazidas à igreja. Foram fundados orfanatos e lares para acolher estas crianças. Tais práticas, embasadas numa visão valorativa em favor da vida, influenciaram a civilização ocidental no desenvolvimento de uma ética da vida humana que permanece até hoje” (D. James Kennedy & Jerry Newcombe).

Diante da cultura da morte que vai ganhando o Ocidente, oremos para que Deus tenha misericórdia de seu povo e o reavive; pois somente uma igreja verdadeiramente cristã pode reintroduzir marcos civilizatórios em nossa época, inclusive a celebração da vida.

Franklin Ferreira é bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (1995), Bacharel em Teologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2006) e Mestrado em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (1999). É diretor geral e professor de teologia sistemática e história da igreja no Seminário Martin Bucer, em São José dos Campos, e consultor acadêmico de Edições Vida Nova.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…