Pular para o conteúdo principal

O valor da cultura indígena e o evangelho – Entrevista com Henrique Terena

Ir para a roça, pescar e caçar, tomar banho no rio. Assim foi a vida de Henrique Dias até seus dezesseis anos, desfrutando de tudo o que um indígena nascido em uma aldeia pode desfrutar. Apreciador da cultura tribal, ele é um dos líderes do movimento evangélico indígena e atuante na promoção da qualidade de vida de seu povo.
Henrique Terena. Foto: Divulgação

Nascido em 24 de agosto de 1962, na aldeia Córrego do Meio Buriti, município de Sidrolândia, Mato Grosso do Sul, Henrique cresceu no seio de uma família indígena da etnia Terena e evangélica. Entregou sua vida a Jesus aos nove anos de idade. Hoje, mais conhecido apenas como Henrique Terena, é pastor, formado em Teologia pelo Seminário Palavra da Vida e presidente do Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas (Conplei).

Em entrevista concedida ao blog Paralelo10, Henrique Terena fala sobre seu encontro com Jesus, sua atuação na Funai e no Conplei; comenta os avanços e desafios da igreja indígena nacional, e a relação do evangelho com a cultura e a identidade indígena.

Como foi o seu encontro com Jesus?
Tive a felicidade de ter nascido num lar cristão, onde o apego à palavra de Deus era a nossa prática diária. Mas a minha conversão se deu por meio de um trabalho com crianças, feito por missionárias que trabalhavam em nossas comunidades. Isso se deu aos nove anos de idade, junto aos demais que naquele dia entregaram suas vidas ao senhor Jesus.

O que você mais aprecia na cultura do seu povo?
Como em todas as culturas há coisas boas e coisas ruins. A cultura tribal é muito bonita, mas as coisas que eu mais aprecio são a língua, a comida típica e as nossas danças.

Como funcionário da Funai, qual a sua percepção sobre as políticas públicas voltadas aos indígenas?
Mesmo diante do caos que ela vem passando nos últimos anos, a Funai ainda tem um papel fundamental na proteção das nações indígenas. A meu ver, o que tem atrapalhado é a intervenção política que coloca dentro do órgão pessoas pouco ou sem nenhum conhecimento das temáticas indígenas. Isso gera desconforto e ingerências nas políticas indigenistas.

Como e quando surgiu o Conplei?
O Conplei nasceu do anseio das organizações missionárias que queriam ver igrejas e líderes indígenas tendo papel de influência nas tribos, não somente na evangelização, mas também na área social.

Quais maiores conquistas do Conplei para a igreja indígena e o avanço na evangelização dos povos indígenas do Brasil?
Creio que foi mostrar para o movimento missionário que há igrejas e lideranças fortes nas comunidades indígenas, e que avanços significativos estão acontecendo por meio delas. Um dos exemplos são nossos congressos que reúnem mais de três mil líderes a cada quatro anos, para um momento de celebração, testemunho e comunhão.

Quais os principais desafios da igreja indígena brasileira?
Alguns dos desafios são a questão geográfica e a língua. Como cada povo tem sua própria língua, mesmo outra pessoa sendo indígena, mas de outra etnia, ela se torna um estrangeiro. Mas há uma grande vantagem no fato de ser indígena. Isso já quebra algumas barreiras e favorece os primeiros contatos.

O que os evangélicos precisam saber sobre os povos indígenas?
Os povos indígenas possuem uma cultura peculiar, mas eles também choram, sentem frio, e têm aspirações de uma vida melhor.

Qual o seu recado para os indígenas evangélicos no Dia do Índio?
Que a tarefa de evangelização continue e que os mais de cem grupos não alcançados possam conhecer a Jesus. Nesse dia, considerado Dia do Índio, espero que seja para reafirmar nossa identidade e celebrar a nossa cultura. E dizer que, como evangélicos, valorizamos muito quem somos.


Fonte: Blog Paralelo 10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…