Pular para o conteúdo principal

No calendário da ONU, Dia Mundial da Criatividade também acontece dia 21 em Caruaru

A criatividade vai abraçar Caruaru com atividades no Armazém da Criatividade e na Estação Ferroviária. O Dia Mundial da Criatividade (DMC) acontece no dia 21 de abril e promete ser um marco histórico para quem acredita no poder da criatividade para resolver os problemas deste século. Inclusive, em 2017, o Dia Mundial da Criatividade entrou para o calendário oficial da Organização das Nações Unidas (ONU) com a intenção de reforçar e celebrar a importância da criatividade e da inovação para o desenvolvimento sustentável, reunindo atividades em mais de cinquenta países.  O evento será simultâneo em Caruaru, Recife, São Paulo, Fortaleza, Porto Alegre, Rio de Janeiro, além de cerca de 50 países.


Jovens profissionais, empreendedores de diferentes indústrias criativas, pensadores, professores, especialistas em criatividade, se reuniram para trazer o evento para Caruaru pela primeira vez, colocando a Capital do Forró no mapa mundial da criatividade junto com Recife e outras capitais do país. 

“A importância do DMC para Caruaru é, principalmente, simbólica: é percebido um momento otimista para a Economia Criativa da cidade nos últimos anos e estarmos entre as 13 cidades brasileiras que comemorarão a data só consolida ainda mais isso. A intenção de colocar o "país de Caruaru" nesta rota criativa é chamar a atenção da população para esta temática e representar nossa criatividade a nível nacional e global. Aliás, o foco para os preparativos do DMC Caruaru está em ressaltar a importância da criatividade e especialmente do aspecto convergente que esse elemento possui para as mais diversas atividades e relações humanas, sejam elas profissionais ou culturais. Tudo foi pensado de maneira muito inclusiva para abarcar não somente as pessoas que já trabalham com Economia Criativa mas também o grande público” diz Milton Oliveira, que encabeça o movimento.

A abertura do evento acontece no Armazém da criatividade com a mesa redonda sobre a “Criatividade que nos une”. Diversos profissionais de várias áreas, inclusive que não são tradicionalmente ligadas à criatividade debatem como utilizam a criatividade nas suas profissões. A mesa terá mediação do Professor Elton Vieira, do IFPE.

Já à tarde, o evento segue para o largo da Estação Ferroviária com oficinas, apresentações artísticas e uma feirinha criativa que reúne de designers a artesãos oferecendo produtos diversos, utilizando os conceitos da economia criativa. “Nossa intenção é abraçar a cidade com várias atrações que divulgam a criatividade e oferecer ao público a concepção de que é possível ser criativo em qualquer área de atuação, seja ela ligada às artes e outras ciências tradicionalmente ligadas à criatividade ou áreas aparentemente mais cartesianas” diz Marcos Tenório, que participa do comitê organizador. Além disso, a professora Elisabeth Santos, da UFPE, propõe um debate na Casa do Cordel sobre “Criatividade, Saberes e Organizações da Cultura Popular em Caruaru-PE” com artistas, designers e pesquisadores. A proposta é fortalecer e empoderar os movimentos culturais e artísticos existentes em Caruaru-PE.

Cordelista Roberto Celestino integra a programação.
Foto: Divulgação


Serão diversas atividades divididas entre palestras, debates, mesas redondas, apresentações culturais, feirinha criativa, intervenções artísticas, oficinas e workshops que farão a criatividade abraçar Caruaru e região durante o feriado.

 Todas as atividades serão gratuitas, mas é importante se inscrever com antecedência para garantir  vagas, pois elas são limitadas. Todas as inscrições acontecem no site: www.diamundialdacriatividade.com.br.

Serviço:
Dia Mundial da Criatividade
21/04/2018 das 8h às 18h
Armazém da Criatividade e Estação Ferroviária
Mais informações: www.diamundialdacriatividade.com.br
Inscrições grátis no site.
Programação Armazém da Criatividade (8h às 12h)
A criatividade que nos une - Elton Vieira - IFPE (Mediador)
Criatividade para colaborar - Milton Oliveira - Plural
Criatividade na Administração - Fernando Pontual - UPE | Unifavip Wyden
Criatividade nas Relações Internacionais - Renan Assis - ASCES-UNITA
Design, Criatividade e Inovação - Marcos Tenório - Kalulu Comunicação (Mediador)
Design e Inovação - Glenda Cabral - UFPE
Processos Criativos em Fotografia - Juliana Leitão - UFPE
Centralizando a criação no usuário: UCD Game - Erton Vieira - Unifavip Wyden
Políticas Públicas e Inovação - Ana Suassuna (Mediadora)
Design, Criatividade e Inovação Social - Bárbara Grijp - Noeud (Mediadora)
Políticas Públicas e Criatividade - Ricardo Gonçalves - Gov. do Estado de Pernambuco
Política Pública Caruaruense e Criatividade - Carolina Cabral - Secretária Executiva de Desenvolvimento Econômico e Economia Criativa da Pref. Municipal de Caruaru (SEDEEC/PMC).

 

Programação Estação Ferroviária (14h às 19h)
Palestras e Debates - Casa do Cordel
A Literatura de Cordel e suas Contribuições para a Construção da Sociedade - Roberto Celestino - Academia Caruaruense de Literatura de Cordel
Criatividade, Saberes e Organizações da Cultura Popular em Caruaru-PE - Elisabeth C. Santos - UFPE
A palavra como Instrumento Fomentador da Criatividade - Cilene Santos - Academia Caruaruense de Literatura de Cordel
Sessão de curtas - Casa do Cordel - Cine Cuca Livre


Apresentações artísticas - Casa do Pife
Aula espetáculo: De mata a dentro - Angoleiros do Sertão
Número de dança: brincando com o corpo - Angoleiros do Sertão
SLAM Caruaru: Competição de Poesia de Rua

Oficinas - Galpão
Estamparia Criativa - Mannu Guennes - Phitoplankton
Estamparia com Carimbo - Bárbara Grijp - Noued
Design para ressignificar - Allan Martins - UFPE
Processos Criativos e Produção Fotográfica Jornalística - Diógenes Barbosa - UNITA

Coreto
Feirinha Criativa - Grupo de Artistas e designers e empreendedores locais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…