Pular para o conteúdo principal

Igreja Batista se posiciona sobre Justiça, Segurança, Intolerância e Eleições

A 98° Assembleia da Convenção Batista Brasileira aconteceu em Poços de Caldas (MG) entre os dias 26 e 29 de abril. O evento atraiu centenas de pessoas, especialmente pastores e líderes da denominação. Entre as atividades, os religiosos desenvolveram um documento que analisa temas atuais à luz da cosmovisão batista e estimula a participação social em relação aos mesmos.

Segundo a Convenção Batista Brasileira (CBB), há atualmente 13.436 igrejas e congregações que somam aproximadamente 1,7 milhões de batistas ligados à CBB, que é o órgão máximo da denominação batista no Brasil. É a maior convenção batista da América Latina. Como instituição, existe desde 1907, servindo às Igrejas Batistas brasileiras com sua estrutura de integração e seu espaço de identidade, comunhão e cooperação. É ela que define o padrão doutrinário e unifica o esforço cooperativo dos Batistas do Brasil.

Confira a íntegra do documento:




Encontro mobilizou líderes da denominação evangélica.
Foto: JMN/Divulgação


DECLARAÇÃO DE POÇOS DE CALDAS

A Convenção Batista Brasileira reunida nos dias 26 a 29 de abril de 2018, na cidade de Poços de Caldas - MG, vem a público expressar seu posicionamento diante de assuntos que estão em voga na atualidade, e que inquietam a Sociedade Brasileira.


JUSTIÇA

RECONHECEMOS que a impunidade e a injustiça são realidades de nosso país e afetam diretamente nossa sociedade;

LAMENTAMOS que o povo brasileiro sofra tanto pelos efeitos nocivos da injustiça;

CONCLAMAMOS os Batistas brasileiros a orarem pelos nossos magistrados, legisladores e por todos que trabalham no âmbito da justiça, para que sejam firmes em suas deliberações e que a justiça seja para todos e não apenas para alguns;

CONVOCAMOS os líderes Batistas a promoverem a conscientização dos membros de suas igrejas para que exijam que os magistrados e os legisladores sejam pautados pela ética e verdade, e que tratem a todos com direitos iguais;

ENCORAJAMOS todo o povo de Deus a que busque a justiça a partir de um comportamento ético de cada um, mas também de cada igreja, multiplicando assim um comportamento próprio dos que temem a Deus e desejam a prosperidade da nação;

DESAFIAMOS cada Batista brasileiro a agir da forma mais correta possível, rejeitando a famosa filosofia do “jeitinho brasileiro” e abraçando o ideal de justiça expresso pela Palavra de Deus.


SEGURANÇA

RECONHECEMOS o estado de insegurança em que vivemos em nosso país onde a sociedade é refém da violência;

LAMENTAMOS o aumento significativo dos casos de violência familiar, destacando-se a violência contra idosos, mulheres, adolescentes e crianças;

CONCLAMAMOS os Batistas brasileiros a anunciarem o Evangelho com autoridade, na certeza de que somente Jesus Cristo transforma o homem;

DESAFIAMOS as igrejas a refletirem sobre a inclusão social e o combate ao preconceito e desigualdade, propondo ações que promovam a mudança de vidas e do meio em que vivem.

ENCORAJAMOS as igrejas e em especial seus líderes a discutirem no âmbito local, regional e nacional as fragilidades, necessidades e possíveis soluções no combate às drogas, um dos maiores incentivadores da violência;


INTOLERÂNCIA

RECONHECEMOS que a Liberdade de Consciência é um dos princípios batistas mais preciosos tendo em vista os primórdios de nossa história, onde esta liberdade foi conquistada com muita luta e dedicação;

LAMENTAMOS que estejamos vivendo em uma sociedade intolerante, onde a liberdade de consciência e expressão é negada a alguns e oferecida a outros;

CONCLAMAMOS cada Batista brasileiro a defender o direito de todos de se expressarem garantindo o respeito mútuo até mesmo diante de diferenças que contrariam nossa fé;

CONVOCAMOS o povo Batista a aprofundar-se no conhecimento dos fundamentos de sua fé a fim de ter conteúdo para dialogar e expressar seus valores de modo firme ainda que respeitoso;

ENCORAJAMOS cada cristão a respeitar o seu próximo, nutrindo o diálogo e valorizando o espírito de solidariedade presente na raça humana. Através disso espera-se obter-se o respeito recíproco dos que pensam diferentemente de nós;

DESAFIAMOS as igrejas batistas brasileiras a vivenciarem o amor de Deus que alcança a todos e expressá-lo em cada momento de nossas vidas, amando ao pecador, mas repudiando o pecado; compreendo as diferenças, mas buscando a unidade em Cristo; olhando para além das aparências.


ELEIÇÕES

RECONHECEMOS que cada Batista é tanto um cidadão dos Céus como também um cidadão brasileiro, e por isso tem um compromisso direto com a sua nação;

LAMENTAMOS o grave momento que vivemos em nossa política governamental em todos os aspectos;

CONDENAMOS a corrupção, considerando-a contrária à vontade de Deus e, portanto, pecado;

CONCLAMAMOS os Batistas brasileiros a orarem pelo processo eleitoral de 2018 em  nosso país, preconizando o ideal da unidade no Reino de Deus, e a avaliarem com o máximo de atenção os candidatos, preferindo aqueles cuja conduta é adequada de acordo com os critérios Bíblicos.

CONVOCAMOS os Batistas brasileiros a votarem de forma consciente, destacando como critério para a escolha de seus candidatos uma vida reconhecidamente ética e que tenham visão do bem comum da sociedade, do valor da família tradicional, da liberdade religiosa, estando tais elementos acima de seus interesses pessoais;

ENCORAJAMOS os membros de nossas igrejas Batistas a exercerem a sua cidadania de maneira responsável, sem extremismo ideológico-partidário, e a exigirem de seus futuros governantes ações concretas no combate da corrupção, investimento na melhoria de qualidade de vida de nossa população e a garantirem os direitos de expressão até aqui conquistados pelo povo brasileiro.

COMISSÃO:
Pr. Guilherme Gimenez – Relator
Pr. João Reinaldo Purin Junior
Pr. Linaldo Guerra
Pr. Rubens Monteiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…