Pular para o conteúdo principal

Estudante lança campanha para custear tratamento de doença rara

Delminha produz camisas com frases motivacionais. Foto: Divulgação


Com 29 anos de idade, a estudante Delma Goes luta contra uma enfermidade rara, chamada ‘Síndrome de Mills’. A doença motora já paralisou seu braço esquerdo. A partir da doença, também surgiram outros problemas, inclusive nas vias respiratórias e no sistema sanguíneo. O tratamento é caro. E ela precisa de ajuda. 

Pensando nisso, Delminha - como é conhecida entre os amigos - decidiu criar uma campanha nas redes sociais. Ela preparou camisas com frases motivacionais para serem comercializadas. A primeira fase da campanha ocorreu em 2016, com uma camisa contendo a expressão "Quem acredita sempre alcança". Agora, uma nova fase está iniciando, com camisas contendo a frase: "Para quem tem fé a vida nunca terá fim".


Layout da camisa da nova fase da campanha. Foto: Divulgação
Ela explica que a escolha das frases relaciona-se com a sua forma de enxergar a vida. "Tem dias que o corpo cansa, a cabeça fica a mil, tudo para de fazer sentido e a gente acha que fracassou. Mas a fé faz com que a gente acredite que tudo vai dar certo, que a tempestade vai passar e tudo vai ficar bem", afirma, emocionada.

O valor da camisa é R$ 35, podendo ser enviada para todo o Brasil. Quem se interessar pela campanha, pode entrar em contato com Delma pelo seu perfil no Facebook. O seu perfil no Instagram é @delminhagoes. Pelo Instagram, há, ainda, a possibilidade de seguir o perfil exclusivo da campanha: @somostodosdelminha .




RIFA
Além das camisas, uma rifa está sendo elaborada para colaborar com o projeto.No dia 28/05, haverá o sorteio, às 15h, que será transmitido pelo Instagram @alocell1. O valor é R$ 10 e o prêmio será uma caixa de som JBL Clip 2 nova, com 01 ano de garantia.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup