Pular para o conteúdo principal

Artigo - As entranhas de Martin Luther King - por Jénerson Alves


O relógio marcava 18h05. O pastor batista Martin Luther King Jr. conversava na sacada de um hotel. Ativista em prol dos direitos civis e da igualdade racial, Luther King tinha um sonho: "que minhas quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde elas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter." Do quarto de um hotel no outro lado da rua, James Earl Ray tinha um rifle. Ao disparar, ceifou a vida do líder do movimento negro pacifista nos Estados Unidos. O dia era 04 de abril de 1968.
O historiador da Universidade de Yale James Green - especializado em movimentos sociais da década de 1960 - afirma, em um artigo: "O assassinato de Martin Luther King foi um colapso terrível. Ele era um homem carismático, indiscutivelmente um dos líderes mais radicais que vimos no século 20. A desilusão que se seguiu a sua morte causou danos incalculáveis às esperanças que aquela geração tinha de ver tempos melhores”. E a história revela que, com a morte de King, os ideais de não-confronto caíram por terra. Muitas manifestações aconteceram e o grupo rebelde Panteras Negras intensificou os confrontos.



Hoje, exatos 50 anos após este episódio, o exemplo de Luther King permanece vivo. As ebulições sociais que predominavam em 1968 transformaram a cultura e a sociedade ocidental. Os conflitos, as rupturas, as covenções desafiadas. O mundo estava grávido de mudanças. E a voz do reverendo Martin Luther King Jr. era um apelo à justiça e ao amor. Foi uma inspiração para aquela geração. Um homem do qual o planeta sentiria falta se não tivesse existido.

No livro 'Variações sobre a Vida e a Morte', o escritor Rubem Alves faz uma belíssima reflexão sobre a forma de encontrar caminhos para a construção do futuro. Ele cita que os antigos costumavam sacrificar animais e consultar-lhes as entranhas para prognosticar o devir. Chama a atenção o fato de as entranhas serem símbolo do amor, não do entendimento – que seria a cabeça. Para o autor, tal alegoria é cheia de grande verdade. E ele recomenda: “Se quereis profetizar os futuros, consultai as entranhas dos homens sacrificados: consultem-se as entranha dos que se sacrificaram e dos que se sacrificam; e o que elas disserem, isto se tenha por profecia”.

É necessário que vislumbremos as entranhas de seres elevados, como o pastor. Que não ouçamos as vozes daqueles que se locupletam com o ódio e a injustiça – eles são tão pequenos que sobem nas costas de multidões esquálidas para se sentirem grandes. Que possamos ouvir os ecos de um dos discursos de Luther King até vislumbrá-los como realidade encarnada em nossa existência: “Com esta fé nós poderemos transformar as discórdias estridentes de nossa nação em uma bela sinfonia de fraternidade. Com esta fé nós poderemos trabalhar juntos, rezar juntos, lutar juntos, para ir encarcerar juntos, defender liberdade juntos, e quem sabe nós seremos um dia livre”.

Jénerson Alves é jornalista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…